"Rocky", o musical, estreia-se na Broadway

O primeiro filme da série foi adaptado aos palcos da Broadway pelo próprio Sylvester Stallone. A produção do espetáculo ultrapassou os 14,3 milhões de euros.

Estreou-se recentemente no Winter Garden Theatre, na Broadway, o musical Rocky, inspirado no primeiro filme da série protagonizada por Sylvester Stallone. O ator é um dos produtores e argumentistas deste musical, que mereceu largos elogios da imprensa na estreia.

David Rooney, jornalista da Hollywood Reporter, escreveu recentemente: "A luta final é tão visceral e emocionante que deixa o público em êxtase". Já Marilyn Statio descreveu o espetáculo como "uma brilhante peça de encenação".

Antes de chegar aos palcos da Broadway o espetáculo já tinha estreado em Hamburgo, na Alemanha, em novembro de 2012. Já na altura a peça foi elogiada plea crítica, lembra a BBC.

Veja aqui imagens do musical:

Sylvester Stallone escreveu esta peça juntamente com Thomas Meehan (Os Produtores), Lynn Ahrens e Stephen Flaherty (ambos de Ragtime). Alex Timbers (do musical Peter and the Starcatcher) é o encenador. No papel do pugilista Rocky Balboa está o ator Andy Karl, que tem trabalhado essencialmente em peças da Broadway e que há dois anos participou na longa-metragem Hino da Alegria (2012).

Segundo o New York Times, o musical teve um orçamento de produção superior a 20 milhões de dólares (14,3 milhões de euros).

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.