'O Fantasma da Ópera' está há 25 anos na Broadway

(COM VÍDEOS) O musical 'O Fantasma da Ópera' atinge hoje uma marca histórica: é o primeiro espetáculo a celebrar os 25 anos em cena na Broadway.

O musical baseia-se no romance de Gaston Leroux e conta a história de uma figura mascarada, o Fantasma, que habita as catacumbas do Teatro de Ópera de Paris, assustando todos os que lá trabalham. No entanto, o Fantasma apaixona-se por uma jovem soprano, Christine, e usa todos os seus poderes para a transformar numa estrela.

Com música de Andrew Lloyd Webber, letras de Charles Hart e Richard Stiloge e encenação de Harold Prince, o espetáculo estreou em Nova Iorque a 26 de janeiro de 1988, dois anos depois da estreia londrina no West End, e desde então que se encontra no Majestic Theatre.

É o espetáculo com a carreira mais longa da Broadway e também com mais sessões, 10 400, batendo 'Cats' que terminou a carreira em 2000 após 18 anos em cena. Na Broadway, 'O Fantasma da Ópera' já foi visto por 15 milhões de espetadores - nas suas várias produções, em todo o mundo, terão sido cerca de 130 milhões de pessoas a sentar-se num teatro para se comoverem com esta improvável história de amor e com as belas canções de Lloyd Webber.

Veja a atuação Michael Crawford e Sarah Brightman na cerimónia de entrega dos prémios Tony, em 1988, interpretando duas das canções mais conhecidas do musical:

Nessa primeira noite, Michael Crawford interpretava a personagem do Fantasma. A inocente Christine era interpretada por uma então jovem soprano, Sarah Brightman.

O sucesso foi imediato. E as polémicas também. Desde a escolha da atriz protagonista, pois Brightman era ainda uma desconhecida na Broadway mas era casada com Lloyd Webber, até ao facto de a produção usar gravações em alguns momentos. Nesse ano, 'O Fantasma da Ópera' ganhou oito prémios Tony, incluindo os de Melhor Musical, Ator e Encenador.

Howard McGillian, o ator que mais vezes interpretou o Fantasma (em 2 544 sessões), recorda que só para a maquilhagem da personagem precisava de 90 minutos. Some-se a isto o tempo do atuação e a limpeza da caracterização: para cada apresentação, o ator precisava de cinco horas de trabalho. "Eu era um nadador de longas distâncias na escola, talvez isso me tenha dado alguma resistência", comentou numa entrevista ao Newsday.

Veja o anúncio do espetáculo com a carreira mais longa da Broadway:

A sessão desta noite é apenas para convidados e será seguida de uma festa. O papel de Christine será interpretado por Sierra Boggees, que se juntou ao elenco este mês, depois de ter representado na produção londrina do espetáculo. Já o Fantasma estará a cargo de Hugh Panaro, enquanto Kyle Barisich interpreta Raoul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.