'O Fantasma da Ópera' está há 25 anos na Broadway

(COM VÍDEOS) O musical 'O Fantasma da Ópera' atinge hoje uma marca histórica: é o primeiro espetáculo a celebrar os 25 anos em cena na Broadway.

O musical baseia-se no romance de Gaston Leroux e conta a história de uma figura mascarada, o Fantasma, que habita as catacumbas do Teatro de Ópera de Paris, assustando todos os que lá trabalham. No entanto, o Fantasma apaixona-se por uma jovem soprano, Christine, e usa todos os seus poderes para a transformar numa estrela.

Com música de Andrew Lloyd Webber, letras de Charles Hart e Richard Stiloge e encenação de Harold Prince, o espetáculo estreou em Nova Iorque a 26 de janeiro de 1988, dois anos depois da estreia londrina no West End, e desde então que se encontra no Majestic Theatre.

É o espetáculo com a carreira mais longa da Broadway e também com mais sessões, 10 400, batendo 'Cats' que terminou a carreira em 2000 após 18 anos em cena. Na Broadway, 'O Fantasma da Ópera' já foi visto por 15 milhões de espetadores - nas suas várias produções, em todo o mundo, terão sido cerca de 130 milhões de pessoas a sentar-se num teatro para se comoverem com esta improvável história de amor e com as belas canções de Lloyd Webber.

Veja a atuação Michael Crawford e Sarah Brightman na cerimónia de entrega dos prémios Tony, em 1988, interpretando duas das canções mais conhecidas do musical:

Nessa primeira noite, Michael Crawford interpretava a personagem do Fantasma. A inocente Christine era interpretada por uma então jovem soprano, Sarah Brightman.

O sucesso foi imediato. E as polémicas também. Desde a escolha da atriz protagonista, pois Brightman era ainda uma desconhecida na Broadway mas era casada com Lloyd Webber, até ao facto de a produção usar gravações em alguns momentos. Nesse ano, 'O Fantasma da Ópera' ganhou oito prémios Tony, incluindo os de Melhor Musical, Ator e Encenador.

Howard McGillian, o ator que mais vezes interpretou o Fantasma (em 2 544 sessões), recorda que só para a maquilhagem da personagem precisava de 90 minutos. Some-se a isto o tempo do atuação e a limpeza da caracterização: para cada apresentação, o ator precisava de cinco horas de trabalho. "Eu era um nadador de longas distâncias na escola, talvez isso me tenha dado alguma resistência", comentou numa entrevista ao Newsday.

Veja o anúncio do espetáculo com a carreira mais longa da Broadway:

A sessão desta noite é apenas para convidados e será seguida de uma festa. O papel de Christine será interpretado por Sierra Boggees, que se juntou ao elenco este mês, depois de ter representado na produção londrina do espetáculo. Já o Fantasma estará a cargo de Hugh Panaro, enquanto Kyle Barisich interpreta Raoul.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.