Nuno Lopes regressa ao teatro como Caliban

'A Tempestade' em Lisboa. Voltar à Cornucópia, onde começou a carreira, é como "voltar a casa"

Quase irreconhecível. Curvado sobre si mesmo, um manto de serapilheira a cobrir-lhe a cabeça, o corpo esborratado, os gestos como os de um macaco, Nuno Lopes transforma-se em Caliban, o homem-monstro da peça A Tempestade, de Shakespeare, que se estreia amanhã, no Teatro da Cornucópia em Lisboa. Nada de trejeitos cómicos.

O actor que todos se habituaram a ver em Os Contemporâneos (RTP1) regressa à Cornucópia como quem regressa a casa. Foi naquele palco que se estreou, em 1997, como Gustiuz Gonçalves de Os Sete Infantes, tinha então 19 anos. Ali, no Teatro do Bairro Alto, ao lado de Luís Miguel Cintra, de Márcia Breia, de Luís Lima Barreto, de Rita Durão, de Ricardo Aibéo, de José Manuel Mendes ou de Sofia Marques, sente-se em família. "Foi aqui que eu comecei a trabalhar, sinto-me muito à vontade neste sítio e com estas pessoas. É como um filho, que cresce, sai de casa, mas volta sempre à casa dos pais", conta o actor.

Tem um "prazer enorme" em voltar ao teatro. Já tinha longa carreira no palco e alguma experiência em cinema (por exemplo, Peixe--Lua e Quaresma, ambos de José Álvaro Morais) quando, em 2005, se tornou conhecido do grande público pela sua interpretação em Alice, filme de Marco Martins, onde desempenhava o papel de um pai que procura a filha desaparecida pelas ruas de Lisboa. Ao reconhecimento de crítica e público, juntaram-se os prémios do Shooting Star do Festival de Cinema de Berlim, o de Melhor Actor no Festival de Cinema Luso-Brasileiro, e ainda o Globo de Ouro (da SIC).

O passo seguinte foi dado na televisão, com a equipa de Herman e de Maria Rueff, onde pôde experimentar a sua faceta cómica e rapidamente deu nas vistas pela capacidade para construir "bonecos". Mas foi no ano passado, com Os Contemporâneos, que aconteceu o grande boom de popularidade. Nuno Lopes tornou-se O Chato - aquela personagem rezingona que aparece por todo o lado a dizer "vai trabalhar".

O actor não lida bem com este fenómeno. "É bom saber que as pessoas vêem e gostam do meu trabalho", diz. Mas, por outro lado, não é lá muito divertido andar na rua e estar sempre a ouvir alguém a mandá-lo trabalhar (no Carnaval, parece que uma das máscaras mais populares era a do Chato!). Mas a popularidade da personagem é incontornável e Nuno Lopes aceitou até fazer "uma espécie de cameo do Chato" no álbum Ruídos Reais, do novo grupo Macacos do Chinês.

Em Abril, Os Contemporâneos voltam à televisão. Até lá, Nuno Lopes estará na Cornucópia, transfigurado em monstro-peixe nojento, abominável, ululante, burro mas valente - tudo isto e muito é Caliban, uma das personagens mais difíceis que já interpretou, confessa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.