Nova companhia nasce em Ponte de Sor com Maria João Luís

O Teatro da Terra é uma nova companhia de teatro fundada em Ponte de Sor, que ontem apresentou a sua primeira peça "A Casa de Bernarda Alba", de Federico Garcia Lorca.

A peça foi encenada por Maria João Luís, no Teatro-Cinema da cidade alentejana.

A criação da nova companhia em Ponte de Sor, segundo os promotores, "vem contrariar a actual realidade centralista do país, pretendendo incrementar no Alto Alentejo projectos artísticos onde criadores e artistas possam desenvolver projectos com toda a serenidade".

O Teatro da Terra garante que apresentará um repertório que estabeleça, pela sua temática, uma relação de proximidade com a população, "ao mesmo tempo que a coloca fora do seu meio, num sentido cosmopolita que as artes em geral garantem".

O Teatro da Terra vai desenvolver a sua actividade nas áreas da criação, interpretação, produção, difusão, programação e formação, no âmbito da Artes de Espectáculo.

O projecto arrancou em Março, no Teatro-Cinema de Ponte de Sor, sendo os seus parceiros a Câmara Municipal de Ponte de Sor e o Centro de Artes (ex: Fundação António Prates).

Como directora artística deste projecto, Maria João Luís afirma ter sentido "o desejo de fazer uma companhia de teatro associado ainda a outro desejo".

"O de usar tudo o que aprendi e que vivi até agora, a aprendizagem da vida e profissional em prol de uma coisa que sinta como útil", sublinhou.

No seu primeiro ano de existência, o centro propõe-se a criar, produzir e apresentar três produções teatrais: "A Casa De Bernarda Alba", de Federico Garcia Lorca, com encenação de Maria João Luís, com estreia a 10 de Junho, "Cal", de José Luís Peixoto, com encenação de Maria João Luís, com estreia prevista para Setembro e "A Floresta", adaptação de textos de tradição oral, de vários autores portugueses, com a encenação de Carla Galvão, com estreia prevista para Dezembro.

Para além destas peças, ainda pretende desenvolver três cursos de formação -- actores, técnicos de palco e produtores - com vista à criação de uma equipa artística e técnica local.

Outra actividade realizada ainda pelo Teatro da Terra são as leituras encenadas, com actores convidados, que até agora têm sido de José Luís Peixoto.

A escolha de "A Casa de Bernarda Alba" como primeira encenação deve-se ao facto de ser um "texto que fascina" e que Maria João Luís sempre quis realizar.

Esta encenação, num palco quase completamente vazio, conta com cerca de 20 mulheres que olham com um silêncio negro a violência interior das personagens. Fala da revolta do amor e da luta pela liberdade.

Com estreia prevista para 10 de Junho em Ponte de Sor, esta peça conta com a participação das actrizes Custódia Galego, no papel de Bernarda, Cremilda Gil, que este ano completa 50 anos de carreira no teatro, Inês Castel-Branco, Maria João Falcão, Joana de Carvalho, Maria João Pinho, Diana Costa e Silva e ainda duas actrizes amadoras de Ponte de Sor, Lígia Bráz e Sandra Lopes.

LYP/MLM.

Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.