Maria Matos será uma casa para os artistas independentes

Mark Deputter apresentou ontem a programação para a sua primeira temporada no Teatro Maria Matos. No Teatro São Luiz, Jorge Salavisa vai homenagear Amália e Carmen Miranda, além de receber a Cornucópia e os Artistas Unidos.

Será com a VII Festa do Jazz Português que, já amanhã, se inaugura o renovado palco da sala principal do Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa. A sala está há meses fechada para obras que, embora não muito visíveis para os espectadores, foram essenciais para tornar o palco mais flexível e seguro, apto a receber a criação contemporânea.

Jorge Salavisa, que dirige o teatro desde 2002, está ansioso por ver naquele palco a programação que escolheu para a próxima temporada e que começa, a 17 de Setembro, com a encenação de Jorge Silva Melo com os Artistas Unidos para a peça de Pirandello Seis Personagens à Procura de Um Autor, um espectáculo que, como lembrou Salavisa, "está há um ano à procura de um palco".

A programação de um teatro, diz, "tem que ter um ritmo, uma dinâmica, não pode ser sempre tudo igual se não as pessoas fartam--se" e, nesse sentido, a sua proposta para o São Luiz passa por ter espectáculos bastante diferentes - que tanto podem ser de teatro, música ou dança, desde Luís Miguel Cintra a encenar Aristófanes (A Cidade estreia-se a 14 de Janeiro próximo) até à já habitual gala de travestis (1 de Dezembro).

Enquanto Salavisa teve 750 mil euros para programar a próxima temporada do São Luiz, no outro teatro municipal, o Maria Matos, Mark Deputter dispôs de apenas 550 mil euros. Foi, aliás, por considerar que o orçamento não seria suficiente que o seu anterior director, Diogo Infante, acabou por se afastar do projecto. Para a sua primeira temporada, Mark Deputter optou por contornar esta dificuldade apostando em inúmeras parcerias e co-produções.

"Há uma mudança de paradigma no Maria Matos", admite Deputter. "Será a primeira vez que um teatro municipal terá uma programação dedicada à criação contemporânea e aos criadores independentes que poderão aqui sentir-se em casa, terão melhores condições de trabalho e irão chegar a um público maior." Nomes como Lúcia Sigalho (13 de Novembro), João Garcia Miguel (10 de Dezembro) e Mónica Calle (Junho do próximo ano) são alguns dos criadores independentes que irão apresentar-se no palco do Maria Matos.

Além de se assumir como co-produtor, este teatro tem ainda pretensões a "inscrever a criação contemporânea num contexto internacional", quer convidados companhias estrangeiras a ali se apresentarem, quer também fazendo um esforço para "exportar" as criações nacionais. Se há alguém que o pode fazer esse alguém é Mark Deputter, que tem vasta experiência (e sucesso) na programação de festivais internacionais em Lisboa.

Presente na apresentação das programações dos dois espaços , o presidente da Câmara António Costa não escondeu a sua satisfação: "Correspondem àquilo que devem ser os teatros municipais, com personalidades bem vincadas", disse. "O trabalho destes teatros é essencial para apoiar a criatividade na cidade de Lisboa."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.