A resistência possível num "cabaret" do Bairro Alto

Maria Rueff e Sofia Portugal protagonizam Cabaret Alemão, um espetáculo de café-teatro, que estará em cena a partir de amanhã no Teatro do Bairro, em Lisboa.

Imagine-se uma "situação absurda": Portugal foi invadido por uma potência estrangeira; Lisboa é uma cidade ocupada pelos alemães; o País perde a sua autonomia. E nesta cidade ocupada, um grupo de gente subversiva reúne-se num cabaret escuro, em pleno Bairro Alto, para discutir o que fazer. Entre as notas de um piano e umas canções. Foi assim que nasceu o Cabaret Alemão.

O encenador António Pires e a atriz Maria Rueff estavam a trabalhar juntos na comédia Lar Doce Lar quando começaram a ter ideias para este espetáculo. A eles rapidamente se juntou a atriz Sofia Portugal. Antes de mais, "surgiu a vontade de fazer um espetáculo político", conta o encenador. "A agressão que nós enquanto artistas sentimos, pois somos maltratados e ignorados, o que às vezes ainda é pior, e a nossa falta de jeito para fazermos manifestações e nos organizarmos com sindicatos, como classe, faz que utilizemos o que temos à mão, que é fazer espetáculos, para dizer o que nos vai na alma." Foi assim que surgiu esta ideia da ocupação e do medo. "Uma pura ficção", diz, entre risos, António Pires.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".