Eunice Muñoz sobe à cena no S. Luiz

"O cerco a Leninegrado", de José Sanchis Sinisterra, com Eunice Muñoz e Maria José Pascoal, estará em cena no S. Luiz, em Lisboa, a partir da próxima quarta-feira e até ao dia 19.

A peça, encenada por Celso Cleto, chega a Lisboa após a estreia em novembro passado em Oeiras, na altura em que Eunice Muñoz cumpria 70 anos de carreira, que agora e de já ter sido apresentada em Lamego, Ílhavo e Madrid, em Espanha.

Referindo-se à estreia de Eunice Muñoz na capital espanhola, Celso Cleto disse à Lusa que "correu muito bem, com a sala praticamente esgotada".

Esta peça esteve em cena no Teatro do Círculo de Bellas Artes, com capacidade para 500 lugares, de 26 a 29 do mês passado.

"O público reagiu muito bem, e sem dúvida que um dos pontos altos foi a presença do [treinador de futebol do Real Madrid] José Mourinho", disse Celso Cleto.

Esta foi a quarta vez que uma encenação de Celso Cleto, produzida pelo Dramax de Oeiras, subiu ao palco madrileno.

Em declarações à Lusa a propósito dos 70 anos da carreira de Eunice Muñoz, Celso Cleto afirmou que Portugal não tem noção do valor da atriz que se estreou contracenando com Amélia Rey-Collaço.

"Vamos ser muito claros e objetivos", disse o encenador, "estamos a comemorar 70 anos de uma atriz que vem agora ao seu teatro fazer comigo o aniversário, que não sabe o que vai fazer a seguir; não houve uma única televisão, um cinema, a contratá-la para fazer um filme, para fazer uma série", sublinhou.

Celso Cleto acrescentou que não houve "nada, rigorosamente nada" para assinalar os 70 anos de carreira da atriz. "Portanto, isto diz tudo. Não vale a pena a gente estar aqui a inventar, porque não há muita coisa para inventar", declarou.

"O cerco a Leninegrado" foi uma escolha de Celso Cleto por se tratar de uma comédia -- um registo, como afirmou, que Eunice faz pouco, embora o faça "muito bem" --, mas por ser também uma homenagem ao teatro.

"Fala de duas atrizes - a mulher de um diretor e uma atriz que vivem dentro do teatro -, e é um belo texto para celebrar os 70 anos de carreira da Eunice", de quem Celso Cleto é amigo, tal como do autor da peça, o espanhol José Sanchis Sinisterra, esclareceu o encenador.

A peça foi também escolhida por ser "emblemática", uma vez que em 2011 se assinalaram os 70 anos do início do cerco àquela cidade russa, que durou de 08 de setembro de 1941 a 27 de janeiro de 1944, durante a II Guerra Mundial.

Eunice Muñoz é "uma caso único, há uma num milhão", assegurou o encenador que, em 2006, a dirigiu em "Miss Daisy", do norte-americano Alfred Uhry.

"Nós, no século XX para o XXI, tivemos uma Eunice Muñoz e não sei se vamos ter uma atriz com estas características nos próximos anos", sublinhou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG