Teatro da Cidade estreia-se com "Os Justos", de Camus

Novo grupo de teatro apresenta-se no espaço da Cornucópia, em Lisboa, a partir de hoje.

O grupo Teatro da Cidade estreia-se hoje, em Lisboa, levando à cena a peça Os Justos, de Albert Camus, numa encenação coletiva, no Teatro do Bairro Alto, em Lisboa.

A apresentação do Teatro da Cidade, no palco habitual da Cornucópia, partiu de um convite deste grupo, liderado pelo encenador Luís Miguel Cintra, visando um acompanhamento artístico do trabalho daquele coletivo recentemente formado.

Para a Cornucópia, segundo comunicado divulgado pelo grupo, trata-se de "viabilizar a possibilidade de criação de um grupo de jovens atores que desejam trabalhar em torno de um projeto comum".

O grupo foi constituído no ano passado por Bernardo Souto, Guilherme Gomes, João Reixa, Nídia Roque e Rita Cabaço, após terem terminado a licenciatura na Escola Superior de Teatro e Cinema, em Lisboa.

"Passado um ano e com a consciência mais clara da identidade do grupo", como afirmam os jovens atores em comunicado, surge a estreia de Os Justos, de Albert Camus, segundo tradução de António Quadros, com um elenco, que, além dos fundadores, inclui André Pardal e Ricardo Alas.

Para o Teatro da Cidade, a companhia de Luís Miguel Cintra e Cristina Reis "é não só uma importante referência, como tem um papel fundamental" na sua formação.

Quanto à escolha do texto "prende-se com a qualidade humanista do pensamento 'camusiano'", afirma o Teatro da Cidade.

"O espetáculo surge assim como uma oportunidade para refletir a condição humana, ética e política. Servindo-nos das questões que Camus atribuiu a este grupo de revolucionários russos, no início do século XX, espelhamos em corpos e vozes contemporâneos preocupações iminentes que não se limitam a um lugar ou uma data", afirma o Teatro da Cidade em comunicado.

O espetáculo fica em cena até 10 de abril.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.