Rui Baeta canta ópera sobre "O Corvo" de Poe

Pela primeira vez, e à 28.ª edição, a Temporada Música em São Roque integra ópera na sua programação. Será amanhã à tarde (às 16.30), no Mosteiro de Santos-o-Novo, com "O Corvo", de Luís Soldado, "ópera de câmara para barítono, bailarina e ensemble de 4 elementos", que tem por libreto o famoso poema de Edgar Allan Poe, na tradução de Fernando Pessoa

No princípio, num absoluto silêncio, há um homem tentando desfazer-se de um corpo: "é a encenação da necessidade do protagonista de se libertar daquela memória, daquela mulher", explica-nos Alexandre Lyra Leite, diretor da Inestética-Companhia Teatral, ideólogo do projeto e encenador desta produção, que já passou por Vila Franca e Montemor-o-Novo e chega amanhã a Lisboa, ali bem perto de Santa Apolónia.

O Corvo, publicado em 1845, é uma das criações máximas de Edgar Allan Poe e exemplo do Romantismo tétrico e mórbido. "Tenho desde sempre um fascínio por Poe, presença recorrente no meu trabalho, e por este poema em particular, que conheço desde a adolescência, pois tem um lado fantasmático que liga muito com o meu percurso criativo", conta Alexandre. "Pensei logo no Luís Soldado para compôr e no Rui Baeta [barítono] para cantar".

"É um texto dificílimo, porque é muito hipnótico e com muitas repetições!", confessa Rui Baeta. Por seu turno, Luís Soldado, fala de "o maior desafio e o maior receio" a respeito da musicalidade interna do poema - "como vou mexer naquilo?", lembra-se de se ter perguntado. Desafio avolumado porque "nunca tinha escrito um monodrama [ópera com um só personagem] e este tem quase uma hora de duração, o que é raro em monodramas!"

Vetor importante foi a inteligibilidade do texto: "quis que o texto passasse o mais claro possível para o público", refere Luís, nisso indo ao encontro de algo enunciado por Alexandre: "confrontar o público com algo a que não está habituado: ouvir ópera em português, anulando a distância da língua". Já Rui fala de "um ritmo musical genericamente lento, que permite perceber como o texto é "encorpado" e habitado".

Para isso concorrem ainda, diz, "os vários registos que me são pedidos: há o falado, o estilo recitativo e há o cantado, que é 95% dos casos e que alcança mesmo, por vezes, um lirismo pós-verista".
Para o compositor, "a ópera é sempre uma tensão entre o texto e a música - e a música tem que ganhar!" Para O Corvo, Luís refere que Alexandre lhe pediu "um ambiente que fosse um misto de Harry Potter e Tim Burton". Antes de se lançar na escrita, acrescenta, "fiz pesquisa de bandas sonoras de filmes de terror atuais, para ver o que se está a fazer". Esse universo deixou algo: "o que compus quase podia ser música para filme, se não fosse a voz lírica".

Em termos musicais, "há um crescendo contínuo até um clímax já perto do final, após o que há uma rápida resolução". Para ele, esse crescendo reflete "o acumular de tensão dentro da própria personagem, cada vez mais angustiado e atormentado, num clima cada vez mais opressivo".
O clímax, diz Alexandre, "é o momento de maior desvario e descompensação do protagonista". Já a resolução lê-a como "o entendimento de que é inútil [tentar esquecer a falecida amada] e a aceitação do seu destino".

Atenção especial mereceu a expressão recorrente ao longo do poema: "Nunca mais!" - "É cantado com variações de intenção, mas a ideia é que comece gradualmente a incomodar, tornando-se mais assertivo e definitivo, pois desde a primeira vez quer dizer a mesma coisa: "Tu não tens salvação!"", interpreta Rui. Já Luís assume com humor: "Não resisti à "tentação" de associar um Leitmotiv [motivo condutor] a essas palavras". Por sua vez, Alexandre explicita a solução cénica: "A personagem está presa num espaço que é uma cama-campa de folhas secas, mas que é um espaço interno, interior. É uma ilha, uma tumba de que ele não consegue escapar. No final, ele percebe que está condenado a viver com a presença daquele corvo - que mais não é senão a "versão negra" da sua amada que regressa para o atormentar - até ao (seu) fim."


A restante programação
O Música em São Roque prossegue até 20 de novembro, às sextas (21.00) e domingos (16.30), com exceção do recital do pianista António Rosado (dia 7, 19.00). Igreja de São Roque, Convento de São Pedro de Alcântara e Mosteiro de Santos-o-Novo são os três espaços que recebem concertos.
Dentre o que aí vem, refiramos o recital dos Sete Lágrimas com o programa Diáspora (dia 30); a estreia moderna, pela Orquestra de Câmara de Sintra, da oratória Il Trionfo di Davidde, obra de 1785 de Bráz Francisco de Lima (dia 4), as Vésperas marianas de João Lourenço Rebelo, o compositor de D. João IV (dia 11), pelos grupos Capella Joanina & Flores de Mvsica; um programa luso-brasileiro pelo Americantiga Ensemble, dedicado a D. Maria I (dia 13) e, no último dia, o Requiem de Fauré, pela Orquestra Metropolitana e Coro da UNL. Demais informações no site da Santa Casa.


O Corvo
ópera de câmara para barítono (Rui Baeta), bailarina (Yara Cléo) e ensemble (acordeão, clarinete, violoncelo e eletrónica em tempo real)
autor: Luís Soldado
texto: poema 'O Corvo', de Edgar Allan Poe
encenação: Alexandre Lyra Leite
local: Mosteiro de Santos-o-Novo
data: domingo, 23 de outubro, 16.30

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...