Promotores de espetáculos pedem audiência a António Costa

A Associação de Promotores, Espetáculos, Festivais e Eventos pediu hoje uma reunião ao primeiro-ministro para solicitar a reposição do IVA dos espetáculos ao vivo nos 6% num dia em que os bilhetes estão a ser vendidos mais baratos numa ação de sensibilização.

"Solicitámos hoje, por email, uma audiência com o senhor primeiro ministro. Obviamente que ficámos muito otimistas neste problema mais recente dos apoios à criação, em que o primeiro ministro pegou na pasta, pelo que estamos a ver para tomar decisões e resolver o problema e estamos absolutamente convencidos que ele desconhece a situação da cultura em Portugal e vai ser o nosso parceiro numa tomada de decisão rápida, que é a reposição do IVA nos 6%. A primeira medida da política cultural de um país em que os portugueses não conseguem comprar bilhete, obviamente que é baixar o imposto adicional que se põe sobre o preço do bem", disse ao DN Álvaro Covões, diretor da promotora de espetáculos Everything is New e vice presidente da Associação de Promotores, Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE).

O pedido de reunião surge no dia em que decorre uma campanha de venda de bilhetes para espetáculos com o preço a refletir o IVA a 6%, sendo o valor remanescente suportado pelos promotores de espetáculos aderentes. Entre os espetáculos de música abrangidos estão festivais como Paredes de Coura (que se realiza em agosto em Paredes de Coura), Alive (em julho em Oeiras) e Primavera Sound (em junho no Porto), e concertos como os dos Dead Combo, na Casa da Música, no Porto, de Mallu Magalhães, nos Coliseus de Lisboa e do Porto, de Lenny Kravitz, na Altice Arena, em Lisboa, ou de Rui Veloso, no Multiusos de Guimarães. Peças de teatro como O Deus da Carnificina, em cena no Teatro da Trindade, e o bailado Lago dos Cisnes, no Teatro Tivoli, ambos em Lisboa, estão também na extensa lista de espetáculos abrangidos.

"Se houvesse uma decisão de repor o IVA a 6% amanhã, os preços continuariam ao preço que estão hoje". assegurou. Por exemplo, um bilhete diário para o NOS Alive custa menos 4 euros e dois cêntimos até à meia noite de hoje. A ação "está a ser um sucesso" admite Covões."Tem estado a correr bem mas isto é uma iniciativa de sensibilização para mostrar aos portugueses e aos políticos que se o IVA for reposto nos 6% os bilhetes são mais baratos. Obviamente que houve um incremento nas vendas mas o nosso objetivo não era um black friday para vender os bilhetes de toda a gente", referiu.

"Acima de tudo foi uma campanha de sensibilização e aí foi um grande sucesso porque têm-nos chegado mensagens de todo o lado, de portugueses que veem com bons olhos a reposição do IVA nos 6% como de artistas e agentes culturais. Foi muito interessante porque durante o dia, até há uma hora atrás, ainda tínhamos pessoas a aderirem e a colocarem os bilhetes à venda com os preços como se o IVA fosse a 6%", disse ao DN.

A APEFE entende que não se pode penalizar o acesso à cultura e tem o objetivo da reposição do IVA a 6% e chegar aos dez milhões de bilhetes vendidos para os espetáculos ao vivo no prazo de dois anos. Atualmente, de acordo com os números mais recentes disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística relativos a 2016, foram vendidos 4,9 milhões de bilhetes, o que dá uma média de compra de um bilhete a cada dois anos para cada português."Se conseguirmos chegar um bilhete por português por ano no prazo de dois anos é um salto significativo e um impulso muito importante para as políticas culturais do país", enfatizou.

O momento escolhido para esta contestação ao IVA dos bilhetes, em vigor desde a entrada da troika em Portugal, aproveita a contestação do setor artístico aos subsídios à criação. "A partir de um momento em que há uma vontade política de se discutir as políticas culturais, então tem que se discutir do princípio até ao fim, não basta discutir só a política de apoio à criação, tem que se complementar com a política de fruição. Não é só criar, é preciso fazê-la usufruir", frisou Álvaro Covões. "Não faz sentido a obra produzida e apoiada pelo estado ser penalizada com o IVA a 6%", concluiu.

A decorrer está uma petição pública a solicitar a reposição do IVA a 6%.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...