Paulo Mendes da Rocha receberá Leão de Ouro em Veneza

O arquiteto brasileiro, Prémio Pritzker de 2006 e autor do novo Museu Nacional dos Coches, receberá o galardão no dia 28 deste mês

Paulo Mendes da Rocha, de 87 anos, receberá este mês o Leão de Ouro de carreira na Bienal de Arquitetura de Veneza, em Itália, revelou nesta sexta-feira a organização.

O arquiteto brasileiro receberá o prémio por ser autor de uma arquitetura que é "intemporal", com projetos que, muitas décadas depois de terem sido construídos, "resistiram à passagem do tempo, tanto no plano material como estilístico", afirma a direção da bienal.

"Ele é um desafiador inconformado e, ao mesmo tempo, um realista apaixonado. As áreas de interesse dele ultrapassam a arquitetura, no campo político, social, geográfico, histórico e técnico", lê-se no comunicado.

Paulo Mendes da Rocha, Prémio Pritzker em 2006, autor do projeto do novo Museu Nacional dos Coches (Lisboa), receberá o Leão de Ouro de Carreira no dia 28, na abertura da 15ª Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza.

Nascido em 1928, em Vitória, Paulo Mendes da Rocha formou-se em arquitetura em São Paulo, cidade onde assinou alguns projetos arquitetónicos, nomeadamente o Museu Brasileiro da Escultura, o Clube Atlético Paulistano e a reformulação da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Assinou ainda o projeto do Museu da Língua Portuguesa, recentemente destruído num incêndio.

Em 2000 representou o Brasil na Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza e recebeu já vários títulos Honoris Causa no Uruguai, Brasil, Argentina e em 2015 na Universidade de Lisboa.

A Bienal de Arquitetura de Veneza decorrerá de 28 de maio a 27 de novembro com o tema "Reporting from the front" e curadoria do chileno Alejandro Aravena.

O arquiteto Álvaro Siza Vieira - que recebeu o Leão de Ouro de Veneza em 2012 - vai representar Portugal na bienal, numa escolha comissariada pelos arquitetos Nuno Grande e Roberto Cremascoli.

Em Veneza estará exposto o projeto de loteamento de habitação social que Siza Vieira desenhou há mais de trinta anos, e cuja construção ficou incompleta.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.