Paddington é o filme mais visto

A comédia familiar Paddington foi o filme mais visto este fim de semana, liderando a tabela do Box-office nacional, com 35 mil espetadores e uma receita de 172 mil euros

Do mesmo produtor de Harry Potter e Gravidade, Paddington conta, na versão portuguesa, com as vozes do humorista Luís Franco-Bastos, que dá vida ao protagonista, o urso Paddington, de Ana Guiomar, que dobra a atriz Nicole Kidman no papel de Millicent, uma sinistra embalsamadora de animais que persegue Paddington, e de António Machado como MrCurry, o excêntrico vizinho dos Brown, família que adota o famoso urso.

Paddington estreou em Portugal a 12 de março, em parceria com a União Zoófila, a REFER e a CP, e foi o filme mais visto deste fim de semana. Em segundo lugar do ranking está o filme Focus, com Will Smith, com 28 mil espetadores e, logo de seguida, As Cinquenta Sombras de Grey continua no pódio, com cerca de 18 mil espetadores.

A comédia britânica sobre o urso mais famoso do Reino Unido é produzida por David Heyman, da saga Harry Potter - o franchise cinematográfico melhor sucedido de sempre - e de Gravidade - vencedor de 7 Óscares -, e retrata as desventuras de um jovem e desastrado urso peruano que viaja para Londres à procura de uma casa. Encontrando-se perdido e sozinho na estação de comboios de Paddington, o urso começa a temer que a vida na cidade não seja como tinha imaginado... Até que conhece a família Brown que, ao ler a etiqueta pendurada no seu pescoço - "Por favor, cuide deste urso. Obrigado." - adota Paddington, dando-lhe chá, teto, um nome e uma família.

O filme é baseado na célebre personagem dos livros de aventuras do autor britânico Michael Bond, a partir de um guião original do cineasta Paul King (Bunny and the Bull), com produção da Heyday Films e StudioCanal.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.