Os Coen ganharam companhia em Berlim

Emma Thompson, Denis Côté, Jeff Nichols, Nicole Kidman são alguns dos primeiros nomes confirmados para o Festival de Berlim, com arranque em fevereiro. Salve, César!, dos irmãos Coen, já tem lugar marcado

Depois da revelação do filme de abertura, a Berlinale começou a divulgar alguns títulos já selecionados para a corrida ao Urso de Ouro. Para além do filme dos irmãos Coen, Salve, César!, uma comédia satírica sobre Hollywood com Scartlett Johansson e George Clooney, o novo lote de filmes anunciados deixam antever um festival forte. Destaque para Genius, proposta inglesa com um elenco de sonho: Nicole Kidman, Jude Law e Colin Firth. Trata-se de uma primeira obra de Michael Grandage em que se relata a vida de Max Perkins, o editor da Scribner, responsável por obras literárias de F. Scott Fitzgerald, Thomas Wolfe e Hemingway.

Mas não é só de biopics que se faz a competição, também há sobrenatural, neste caso Midnight Special, um filme de ficção científica de um dos atuais nomes fortes do cinema independente americano, Jeff Nichols (Fuga). De novo um elenco para fazer uma passadeira vermelha muito mediática: Kirsten Dunst, Joel Edgerton, Michael Shannon e Adam Driver.

Alex Gibney, um dos mais ativos documentaristas americanos, também vai estar em competição com Zero Days, um olhar que se espera inquietante sobre o cibercrime e os ataques criminosos via internet. Uma interessante escolha de tema para alguém que acabou de fazer um documentário sobre Frank Sinatra. Expectativas elevadas para um dos queridos da seleção berlinense: o canadiano Denis Côté com Boris sans Béatrice, com Denis Lavant. Refira-se que Côté esteve envolvido em Aqui, em Lisboa, uma longa-metragem comissariada pelo IndieLisboa.

Foi ainda anunciado Alone in Berlin, coprodução de França, Reino Unido e Alemanha dirigida pelo ator Vincent Perez. É, à primeira vista, a grande incógnita, mesmo apesar de um elenco que inclui trunfos como Emma Thompson e Brendan Gleeson.

Paralelamente, a secção Berlinale Speciale, para filmes menos competitivos, anunciou três documentários, um deles sem peso de estreia mundial, Where to Invade Next, a hilariante tese antissistema de Michael Moore. Depois de Toronto, é a vez de Berlim ver o cineasta americano a inchar o orgulho luso e a festejar o 1.º de Maio na Alameda D. Afonso Henriques. Além de Moore, o peso-pesado Morgan Neville também apresenta o seu último documentário: The Music of Strangers: Yo-Yo Mama and The Silk Road Ensemble, enquanto o vulto literário John Berger é examinado por uma série de figuras (entre as quais Tilda Swinton) em The Seasons in Quincy: Four Portraits of John Berger.

O Festival de Berlim decorre de 11 a 21 de fevereiro e nas próximas semanas são reveladas mais obras a concurso.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...