Os 10 álbuns mais aclamados de 2014 segundo a Amazon

"Depois de vasculhar as pontuações e críticas para centenas de lançamentos, saímos de uma pequena sala com esta lista."

A Amazon, a gigante de comércio eletrónico norte-americana, já lançou a sua lista dos álbuns preferidos da crítica em 2014, com o 12.º disco de Beck, Morning Phase, no topo.

O álbum de Beck, lançado em fevereiro deste ano, fica em primeiro lugar na lista compilada pela Amazon. Nuno Galopim descreveu o disco, no DN, como "um espaço de reencontros". O álbum, que foi comparado por muitos com o LP de 2002 Sea Change, do qual, diz Galopim, Morning Phase retoma "diretamente o clima e as sonoridades".

A completar o top 3 da Amazon surgem Lost In The Dream de The War on Drugs, descrito na lista como "intemporal, encharcado na sua própria névoa etérea", e Everyday Robots, de Damon Albarn, o primeiro trabalho solo deste membro dos Blur e dos Gorillaz.

A lista da Amazon é composta a partir de uma compilação de críticas de álbuns de várias fontes, que incluem a BBC, a NME, o The Guardian, a Pitchfork ou a revista Q. "Depois de vasculhar as pontuações e críticas para centenas de lançamentos, saímos de uma pequena sala com esta lista - as nossas 100 escolhas para os álbuns mais aclamados do ano", pode ler-se no site.

Ainda nos primeiros 10 da lista conta-se o novo disco de Metronomy, Love Letters, o álbum de R&B de Paolo Nutini, Caustic Love, e mesmo o novo trabalho de Jack White, Lazaretto. Também na lista, as canções indie folk de Wye Oak, no disco Shriek.

A fechar o top, caem You're Dead!, de Flying Lotus, um trabalho criativo que o The Observer descreveu como "um carnaval de imaginação", e Syro, de Aphex Twin, um dos nomes sonantes da música eletrónica já desde os anos 90.

A Amazon inclui ainda um top 11-100, que pode ser consultado aqui, onde se incluem os álbuns de 2014 de Future Islands, Young Fathers, FKA Twigs e St Vincent, por exemplo.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.