Túmulo de Tutankamón: estará aí Nefertiti escondida há 3000 anos?

A investigação já decorre há alguns anos, mas tomou novas proporções o ano passado, pela mão do arqueólogo Nicholas Reeve. Hoje, o ministro das Antiguidades do Egito confirma a existência de salas ocultas no túmulo do jovem faraó.

O ministro das Antiguidades do Egipto, Mamdouh el-Damati, confirmou hoje que existem 90% de possibilidades de existirem duas salas ocultas por trás do túmulo do faraó Tutankamón, salas essas que podem conter os restos mortais da Rainha Nefertiti.

A história remonta ao verão do ano passado, quando o arqueólogo da Universidade do Arizona Nicholas Reeve publicou um artigo onde afirmava ter descoberto o paradeiro dos restos mortais da lendária Nefertiti. A teoria surgiu da análise de imagens, publicadas pela fundação espanhola Factum Art, do túmulo do Rei Tutankamón. Segundo o arqueólogo existiam, por debaixo das pinturas das paredes, estranhas e regulares fissuras que poderiam ser passagens para outras salas e que poderiam levar à ultima morada da Rainha do Egito, Nefertiti.

Há já alguns anos que Reeves defendia que o túmulo do rei Tutankamón teria sido construído originalmente para Nefertiti, que foi uma das mulheres do seu pai, o rei Akhnaten, mas terá sido ocupada por Tutankamón após a sua súbita morta aos 19 anos. Esta teoria fazia cair por terra outra investigação, situada no Vale das Rainhas, onde recentemente foram encontradas duas múmias do sexo feminino, que se acreditavam ser Nefertiti e a sua irmã.

A teoria de Reeves não foi bem aceite. "Se eu estiver errado, estou", disse o arqueólogo à cadeia televisiva CBS, "mas acho que é algo que não podemos ignorar. Até porque, se estiver certo, esta descoberta vai mudar tudo". Mas a verdade é que a investigação continuou, e em novembro do ano passado, investigadores revelaram que através do uso de infravermelhos, a temperatura variava em diferentes partes da parede norte do túmulo, o que indicaria a presença de espaços vazios atrás das paredes.

As análises foram enviadas para o Japão e analisadas pelo perito japonês Hirokatsu Watanabe, e hoje, o ministro das Antiguidades, Mamdouh el-Damati, confirmou que, segundo as investigações preliminares, existem 90% de possibilidade de existirem duas câmaras ocultas. "Há espaços vazios, mas não totalmente vazios, contém materiais orgânicos" acrescentou o ministro, numa conferência de imprensa no Cairo.

O ministro acredita que poderão estar depositados os restos mortais nessas salas, mas ao contrário do que Reeves defende, não serão de Nefertiti mas sim de outra esposa do rei Akhnaten, ou então de uma das suas filhas.

As investigações mais aprofundadas vão começar no final deste mês, no túmulo do jovem faraó, situado no Vale dos Reis, em Luxor, Egito.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG