"O lado melhor do título 'Frente e Verso' é remeter para o velho LP"

Percursos no jazz e na música erudita trilhados por António Pinho Vargas ilustrados no concerto "Frente e Verso", até domingo, no São Luiz. Com a Orquestra do Hot Club e a Orquestra Metropolitana.

"É um bom título, do ponto de vista do anúncio", começa por dizer António Pinho Vargas a respeito de Frente e Verso, concerto que ilustra as suas duas "vidas": a de pianista e compositor de jazz, e a de compositor erudito, separadas por uma estada na Holanda (de 1987 a 1990), para estudos superiores de composição. "Mais que frente e verso, há um percurso de vida, porque até mesmo a fase do jazz coincidiu com o meu curso de piano no Conservatório do Porto, e a primeira peça erudita que escrevi, em 1983, é do mesmo ano de Outros lugares, o meu primeiro disco de jazz!" Pelo que, conclui: "o lado melhor de Frente e verso é remeter para o velho LP" (risos)

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG