"O Círculo Delaunay" e mais três novas exposições

Exposições de artistas que se refugiaram em Portugal como Sonia e Robert Delaunay, e, mais tarde, Hein Semke, a visão de Willie Doherty sobre o terrorismo do IRA e as Casas na Coleção do CAM estão a partir de hoje no Centro de Arte Moderna, em Lisboa.

O Círculo Delaunay, em torno das obras de Sonia, Robert, pintadas no período em que se refugiaram em Vila do Conde. Hein Semke, Um Alemão em Lisboa, um ex-combatente da IGuerra que se refugia em Portugal. O trabalho de Willie Doherty, da Irlanda do Norte, a propósito do terrorismo. As casas na coleção do CAM. As quatro novas exposições que inauguram hoje no Centro deArte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian foram pensadas há dois anos e "têm tanto a ver com o mundo que estamos a viver hoje", sublinhou, ontem, a diretora, Isabel Carlos, na apresentação deste programa, patente até 12 de fevereiro.

No hall e no piso 1 estão velhos conhecidos da casa. Sonia e Robert Delaunay, Amadeo Souza-Cardoso, Eduardo Viana e Almada Negreiros, os artistas que se cruzaram em Portugal quando os dois primeiros chegam a Portugal, exilados, a fugir da IGuerra Mundial. Aabrir um Marché ao Minho (Mercado no Minho), de 1916.

Ocasal chega a Lisboa em maio de 1915, vindo de Espanha, com um projeto: a Corporação Nova, que pretendia levar arte em exposições itinerantes pelo mundo. Aideia revela-se um fiasco. Une-os, porém, a Eduardo Viana e Amadeo Souza - Cardoso, que já conhecem de Paris. Chegam entusiasmados com o simultaneísmo, uma teoria cromática desenvolvida por um químico francês no final do século XIX. Instalam-se em Vila do Conde. Acasa chama-se L a Simultanée, na rua Bento de Freitas.

Os pintores deixam Portugal, mas regressam em 1916 e vão para Valença do Minho. A Misericórdia da cidade encomenda uma grande painel para o edifício do asilo Fonseca (hoje Escola Superior de Ciências Empresariais). O mural, que devia passar a azulejo, nunca chegou a ser concretizado, resta o seu estudo, trazido das reservas do Centre Pompidou -Museu de Arte Moderna, em Paris, para esta exposição. Chama-se Homenagem ao Doador e, e, como em outros trabalhos de Sonia (e de Robert) traz a vida minhota para a tela.

Éum tema que retoma em 1937 quando faz o mural Portugal para a escadaria da Exposição deArtes e Técnicas de Paris, cuja réplica foi pintada no hall do CAM. "Ganha a medalha de ouro", lembra Ana Vasconcelos, curadora da exposição. Éum trabalho que antecipa aquele que a artista (1885-1979) viria a fazerna área do design têxtil.

Do piso 1 para o -1, onde se fala de outra guerra, a Segunda. Hein Semke é o protagonista da exposição também com curadoria de Ana Vasconcelos, a partir da doação da viúva do artista, Teresa Balté. Refugiado e orfão, estreia-se em Portugal com uma escultura, hoje desaparecida, para o pátio da igreja evangélica alemã em Lisboa.

Isabel Carlos fez a curadoria da "mini-retrospetiva"do trabalho de Willie Doherty, que se tem dedicado sobretudo ao vídeo e à fotografia. Dois desses trabalhos (em slide), dos anos 90, abordam o tratamento dos media ao IRA. "Interessava-me muito na altura", disse, durante a apresentação. Quem são os seus membros? "Assassinos" ou "voluntários", dependendo da perspetiva. São estes, e outros adjetivos, que usa para os catalogar.

Na nave central do CAM, a casa é a personagem principal. "Acasa como refúgio mas também como sítio onde se passam coisas estranhas", lança Isabel Carlos, comissária da exposição em parceria com Patrícia Rosas. Com trabalhos de artistas como Vasco Araújo, Ana Vidigal, Filipa César, Cabrita Reis, Lourdes Castro e Carlos Nogueira, num total de 23 artistas.

A fuga à guerra e as posições anti-belicistas atravessam a vida de artistas estrangeiros que viveram em Portugal, como o casal Delaunay e Hein Semke, cuja obra estará em foco a partir de hoje, na Fundação Gulbenkian, em Lisboa.

"A vida destes artistas já desaparecidos tem muito a ver com a situação que se vive atualmente no mundo, de guerra e de refugiados", comentou Isabel Carlos, diretora do Centro de Arte Moderna (CAM) da Fundação Calouste Gulbenkian.

"O Círculo Delaunay", que fica patente até 22 de fevereiro de 2016, tem curadoria de Ana Vasconcelos e explora o contexto criativo, surgido em torno dos artistas Robert e Sonia Delaunay, e do qual fazem parte vários artistas portugueses.

O casal viveu um curto exílio em Portugal, em Vila do Conde, de junho de 1915 a janeiro de 1917, juntando em seu redor artistas como Amadeo de Souza-Cardoso, Almada Negreiros, Eduardo Viana, José Pacheco e o pintor americano Samuel Halper.

De acordo com a curadora Ana Vasconcelos, a exposição resulta de uma investigação na troca de correspondência entre os artistas - ela de origem russa e ele francês - que está na base de várias revelações, como a encomenda de uma pintura mural para ser realizada em azulejo, na fachada do Asilo Fonseca, em Valença do Minho.

"O casal de artistas parece ter sido atraído pelo surgimento da revista Orpheu em Portugal", apontou Ana Vasconcelos, sobre a escolha de Portugal na sequência da eclosão da primeira Guerra Mundial.

Sonia e Robert ficaram fascinados pela região minhota, e a sua pintura foi bastante influenciada pela cultura popular, as cores dos lenços minhotos e, segundo a curadora, aprofundaram as pesquisas sobre o 'Simultaneismo', que cruza determinadas cores para provocar efeitos na perceção.

"Para Robert [Delauney] poder pintar, Sonia viria a criar ateliês de vestuário e de decoração em Paris e em Madrid, que serviram para sustentar o casal, mas também foi um trabalho pioneiro na área do design", apontou.

Nesta exposição foi reunida uma centena de obras do casal e dos artistas portugueses do seu círculo: meia centena é da coleção do CAM, e as restantes foram cedidas por museus e coleções particulares de França, Espanha, Reino Unido e uma do Museu Metropolitan de Nova Iorque.

"É realmente fantástico que a região do Minho tenha sido lugar de residência destes artistas vanguardistas naquela época", apontou a curadora, acrescentando que a Corporation Nouvelle foi uma iniciativa deles, para a internacionalização de artistas.

Outro artista que se refugiu em Portugal, mas ao contrário dos Delaunay, fixou residência até ao fim da vida, aos 96 anos, foi Hein Semke (1899-1995).

"Hein Semke. Um Alemão em Lisboa", exposição com a mesma curadora e patente no mesmo período que a dedicada ao casal Delaunay, vai apresentar aspetos pouco conhecidos da produção artística, e atualizar o conhecimento sobre a obra e o contexto criativo.

Artista quase autodidata - que visitou Portugal em 1929 e que aqui se radicou, nos anos 1930, com a ascensão nazi na Alemanha - a sua vasta atividade artística abarca várias linguagens, da escultura à gravura, pintura, colagens, tendo produzido 34 livros de artista entre 1958 e 1986.

A exposição incide sobre as obras de arte que integraram a doação feita ao CAM, em 2013, pela família, e os livros de artista entretanto doados à Biblioteca de Arte da Fundação.

Semke foi alvo de uma retrospetiva, no Museu do Chiado e na Fundação Arpad Szénes - Vieira da Silva, na passagem dos dez anos da sua morte, em 2005.

"Willie Doherty. Uma e Outra Vez", com curadoria da diretora do CAM, Isabel Carlos, fica patente no mesmo período no Centro de Arte Moderna (CAM), mostrando, com caráter ontológico, sobretudo o trabalho mais recente do artista nascido em Derry, em 1959, e duas vezes selecionado para o Prémio Turner (1994 e 2003).

Willie Doherty trabalha sobretudo com vídeo e fotografia e, segundo a Gulbenkian, o seu universo é singular, dominado pela tensão entre indivíduo e sociedade e entre natureza e espaço urbano.

Hoje também é inaugurada a exposição "As Casas na Coleção do CAM", que fica patente até 31 de outubro de 2016, com curadoria de Isabel Carlos e Patrícia Rosas Prior.

A mostra parte da coleção do CAM e reúne obras que relacionam arte e arquitetura, o corpo e a casa, e percorre o século XX, com trabalhos de escultura, pintura, vídeo, fotografia e instalação de artistas como Ana Vieira, José Pedro Croft ou a britânica Rachel Whiteread.

Inclui também obras produzidas recentemente pelo austríaco Heimo Zobernig, a quem o CAM dedicou uma exposição em 2009, o alemão Thomas Weinberger, e os protugueses Gil Heitor Cortesão e Leonor Antunes, que este ano também expôs em Nova Iorque e Berlim, entre outros artistas.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.