O avô Luís, católico e salazarista, visto pela neta Sofia

A jornalista embrenhou-se na história de um pai de seis filhos, que se divorcia para casar com uma modelo.

Do cinema partiu e ao cinema vai voltar. "Tens um avô realizador de cinema?", perguntou uma colega da SIC a Sofia Pinto Coelho. Esta parte da história a neta já conhecia. Amante de cinema, tinha-se aventurado como produtor do filme Chaimite, obra ícone do cinema do Estado Novo, de 1953. Foi daqui que a jornalista começou a desfiar o novela da vida de um fiel seguidor de Salazar, advogado e embaixador, que se divorciou para casar com uma modelo norte-americana, que vivia em Madrid.

A história chegará ao cinema em forma de documentário mas deu também um livro, O Meu Avô Luís, apresentado hoje, às 18.30, no Goethe Institut, em Lisboa, pelo jornalista Francisco Sarsfield Cabral, que, estudante de Direito, costumava jantar em casa da família Pinto Coelho uma vez por semana.

Sofia Pinto Coelho propôs-se fazer uma grande reportagem a partir dos filmes de família que estavam na posse do seu pai, Carlos. "Uma pessoa encontra filmes em bruto, tem de fazer um era um vez. Comecei a pesquisar um pouco mais e foi nesse contexto que telefonei para a Kit, muito a medo. Hi, Kit, remember me?", conta.

Kit é a modelo norte-americana com quem o avô se casou em 1971 e aceitou receber a neta do homem com quem esteve durante 26 anos, em Madrid, onde ainda vive. "Eu já tinha as cartas todas do meu pai e uns primos meus deram-me outras", explica a autora. "Percebi que as cartas contavam muita coisa e ler cartas é sempre giro", continua. A correspondência inclui o que escreveu aos filhos, à própria autora, a Marcello Caetano, seu colega na Faculdade de Direito. Mas havia mais. "A Kit, entre fotografias e histórias e disponibilizar-se para uma entrevista, dá-me as cartas de amor, portanto, de repente, eu fiquei semanas inundada em cartas de família e cartas de amor."

Trechos de algumas foram usados no livro: "Na tua alegria, na tua tranquilidade e na tua felicidade, mesmo que para isso tenha de sofrer. Nem imaginas quanto te quero!Continuo a pensar em ti como se fizesses parte de mim. Adoro-te!".

Leia mais na edição impressa e no e-paper do DN.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.