Vivaldi Concertos

Terceira colaboração do violinista Daniel Hope com a Chamber Orchestra of Europe (COE), este disco contém os concertos em ré M, L’Inquietudine; em mi m, RV273; em mib M, La Tempesta di Mare e em ré m, RV565 (n. 11 do Estro Armonico); ainda a Sonata em ré m, RV63, La Follia e a ária Sovvente il sole (com violino obligato), extraída da serenata colectiva Andromeda Liberata, na voz do meio-soprano Anne Sofie von Otter. A COE (só cordas, em 44321) usa instrumentos modernos “de uma forma historicamente informada” e é suportada por um contínuo de cinco elementos em instrumentos de época, no qual pontifica Kristian Bezuidenhout (cravo e órgão). O diapasão usado é lá=440 Hz, sobre o temperamento Vallotti.


Hope diz que o catalisador para nova incursão no barroco foi o disco de Bach que gravou  com a COE e quis, neste, ir mais longe ainda na recriação da prática de época. Tal intento fica perceptível logo à entrada do RV234 e, ao longo do disco, será apenas o próprio Hope quem a espaços incorrerá em vibrati deslocados (mas é a sua única falta). Tecnicamente infalível, Hope faz uso de uma técnica de arcada e articulação que trazem o “selo sonoro” de Vivaldi e tem na concertino Lorenza Borrani o par ideal nas obras para dois violinos. Von Otter não nos parece na forma ideal na sua ária.


4/5
Vivaldi Concertos
DANIEL HOPE, ANNE SOFIE VON OTTER, CHAMBER ORCHESTRA OF EUROPE
DEUTSCHE GRAMMOPHON | UNIVERSAL

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG