Rui Veloso, Lenine e Angelique Kidjo unidos pelo rock

O Palco Mundo junta três culturas diferentes unidas pelo rock antes dos Rolling Stones atuarem. Aquele a quem chamam o pai do rock português, Rui Veloso, junta-se a um dos grandes nomes da música brasileira, Lenine, e a uma das vozes africanas mais marcantes, Angelique Kidjo, no dia 29 de maio.

Rui Veloso contou ao DN conhecer bem Lenine, realçando existir uma "afinidade musical" que será "fundamental" para o trabalho que têm pela frente na preparação do concerto. Sobre Angelique Kidjo realça ter "um trabalho muito interessante". "Sempre tive uma ligação com a música africana. Tenho um lado africano, o que cai muito bem", refere.

Com menos de dois meses para preparar o espetáculo, Rui Veloso considera que este tipo de parceria "é sempre um risco". "Não sabemos se o público que está à espera dos Rolling Stones vai gostar. Mas eu gosto destes desafios." Apesar de os três músicos representarem três diferentes culturas, Rui Veloso salienta que tanto Lenine como Angelique Kidjo têm ligações ao rock: "Esta fusão é capaz de dar certo."

E Lenine concorda. "Temos essa influência", confirmou ao DN. Diz conhecer tanto o músico português como a cantora africana, mas nunca tocou com nenhum: "Não sei como vai ser. A única certeza é que vai ser divertido."

Rui Veloso explica ainda que irão ser trabalhados temas já existentes, mas realçou: "As músicas podem não ser novas, mas o encontro é. É uma coisa criada, mas todos querem fazer bem" O tempo para preparar o concerto não é muito, mas "terá de chegar". E Rui Veloso está habituado a estas parcerias.No primeiro Rock in Rio em Portugal, há dez anos, partilhou o palco com Gilberto Gil, interpretando "Imagine". Em 2012 atuou com Erasmos Carlos. Já no Rio de Janeiro, no ano passado, esteve ao lado de Ed Motta. "Sempre fui adeptos das fusões, não só musicais, mas também raciais. Sempre se aprende coisas", afirmou.

Este tipo de parcerias musicais eram normalmente colocadas no Palco Sunset. Porém, este ano houve alterações, com a Vodafone a patrocinar esse palco e a gerir quem lá atua, o que significou uma mudança para o Palco Mundo, ou seja, mais música portuguesa no palco principal. "Dá mais importância à música portuguesa. No Sunset tínhamos pouca divulgação. Agora vão ter que ligar", salientou Rui Veloso.

Já Lenine considera que estas mudanças são algo que tem acontecido nas edições do Rock in Rio. "O Palco Mundo já não o 'filet-mignon' e já divide a atenção com os outros [palcos]."

Tal como Rui Veloso, o músico brasileiro já conta com 30 anos de carreira e atuou em Portugal por diversas ocasiões. "Tenho muitos amigos em Portugal. Sinto-me em casa", confessou.

O Rock in Rio realiza-se nos dias 25, 29, 30, 31 de maio e 1 de junho. Para o dia 29 (de Rui Veloso e dos Rolling Stones) o bilhete custa 69 euros e nos restantes dias 61.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.