O arranque mais difícil do Festival do Sudoeste

Foi uma das noites mais frias desde o arranque do Sudoeste. A temperatura era baixa e o público parecia difícil. De tal forma que só ao terceiro concerto deste sábado o palco principal teve público. Foi com os Xutos & Pontapés, que aqueceram os festivaleiros para o que aí vinha a seguir: os The Roots.

A banda residente do programa de Jimmy Fallon conquistou as 28 mil pessoas que, de acordo com a organização, passaram pela Herdade da Casa Branca. Num espetáculo energético, apresentaram algumas versões,como "Sweet Child of Mine", dos Gun's ans Roses, ou "Careless Whisperer", de George Michael num estilo que variava entre o jazz, o raggae e o rap. O êxito "The Seed 2.0" também por lá passou.

Os concertos começaram mais cedo que o habitual. O primeiro, dos porto-riquenhos Calle 13, arrancou às 19h45, um horário desolador para a banda, que não tinha mais de 100 pessoas à frente do palco quando começou a atuação. Com uma mensagem revolucionára, contra a autoridade e a repressão, cantaram sobre política, sexo, emigração ilegal, drogas.

Seguiram-se os The Ting Tings, provavelmente naquele que foi um dos concertos mais fracos do Sudoeste. A dupla de Katie White e Jules de Martino teve dificuldade em impôr-se perante um público que parecia pouco interessado e desconhecedor do repertório da banda. "That"s not my name" será a exceção.

Além disso, à mesma hora atuavam no palco Groovebox os Orelha Negra, que deram uma lição de profissionalismo. Sam the Kid, Francisco Rebelo, João Gomes, Fred e DJ Cruuzfader mostraram porque é que o seu hip hop instrumental tem marcado presença em praticamente todos os festivais, com uma exibição que terá sido uma das melhores do Sudoeste.

A este mesmo palco, secundário, vieram logo depois os Thievery Corporation, formação norte-americana já com 20 anos que demonstrou, uma vez mais, as razões da longevidade. Os Xutos & Pontapés começaram entretanto a atuar no palco principal e a romaria até à parte baixa do recinto começou. Sem os seguidores fanáticos do costume (aqui o público é outro) a banda de Tim e Zé Pedro só começou a conquistar a assistência à conta dos clássicos.

Eram já 2h30 da manhã quando teve início a última atuação no palco principal. Os Gorillaz Sound System, projeto de Damon Albarn e Jamie Hewlett em versão DJ, combinam a música com a arte gráfica. Os elementos do grupo estão por trás de uma tela, na qual são projetadas animações.

O Festival do Sudoeste despede-se esta noite com Best Coast, The Vaccines, Two Door Cinema Club, Jessie J e, naquela que é uma das atuações mais esperadas pelos festivaleiros, o DJ David Guetta.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG