No canal de água para recuperar energia

Antes que a música arranque de novo no Sudoeste há que recuperar da noite de ontem. O canal de água é o local ideal. Mas tem perigos, alerta a nadadora-salvadora.

Os DJ's de serviço na festa de receção ao campista puxaram pelos que passaram pela primeira noite do festival do Sudoeste, na Zambujeira do Mar, na quarta-feira. Hoje, o ar cansado dos festivaleiros mostrava isso mesmo. Por isso, era necessário descansar e retemperar energia para a noite, nomeadamente para as atuações de Ben Harper (00h30) e Marcelo D2 (02h30).

O canal de água que passa pelo parque de campismo é um dos locais prediletos para o fazer. "A praia estava muito cheia", diz Mónica, 21 anos, do Porto, sentada à sombra com uma amiga e mais quatro pessoas que conheceu na viagem até à Zambujeira.

No canal também há muita gente, mas a nadadora-salvadora diz que o trabalho ali é "mais aborrecido" que na praia, onde "há mais coisas para ver". Rafaela Gameiro, 19 anos, de Sines, garante que não tem tido problemas a lidar com os festivaleiros. Mas admite que os rapazes se metem com ela. "Perguntam se eu os salvo se se afogarem, mas é tudo na brincadeira", conta, referindo que eles se "portam pior" que elas.

Rafaela está atenta aos principais perigos do canal. "Podem cortar-se nos pés e, se vierem alcoolizados, atirar-se à água e baterem com a cabeça", alerta.

No total, são quatro os nadadores-salvadores de vigia, mas Rafaela não tem muito tempo para "curtir" o festival. "Se estiver muito cansada vou a casa dormir. Se não, fico cá e tento ver os concertos", conta a jovem, que trabalha das 9h00 às 19h00 e que ainda não se meteu dentro da água do canal. "Dizem que está quentinha".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG