Madalena Iglésias pede que respeitem a memória de António Mourão

A cantora Madalena Iglésias manifestou hoje o desejo de que "respeitem a memória do grande homem e cantor que foi António Mourão" e apelou para que "façam perdurar o nome do artista, porque ele assim o merece".

Madalena Iglésias reagia assim à agência Lusa à morte de António Mourão, ocorrida hoje de madrugada na Casa do Artista, em Lisboa, aos 78 anos.

"O António Mourão era um rapaz de muitas possibilidades, muito bom cantor, muito boa pessoa, muito amigo do seu amigo, e só espero que as pessoas respeitem a sua memória e que na terra onde nasceu, ou noutra cidade ou vila, façam perdurar a sua memória, atribuindo-lhe, pelo menos, o nome de uma rua", disse a vencedora do Festival RTP da Canção em 1966, com o tema "Ele e Ela".

Em declarações à agência Lusa a partir de Barcelona, onde reside parte do tempo, a cantora - homenageada há um ano pela Câmara Municipal de Lisboa, com a colocação de um busto em Benfica, Lisboa - e amiga do cantor há muitos anos lamentou ainda que "o ser humano extraordinário que António Mourão era tenha morrido na solidão".

"Os verdadeiros amigos, que sabíamos que era muito tímido e reservado, sabiam dos seus problemas e dos seus complexos, mas lamento muito que tenha morrido só", enfatizou.

"Sempre respeitamos os seus silêncios, a sua solidão mas revoltamo-nos porque sempre reconhecemos o sei valor", observou, sublinhando o "companheirismo e cavalheirismo do artista".

Madalena Iglésias sublinhou também a "elegância e personalidade" com que António Mourão cantava o fado "sem imitar ninguém e com o máximo de respeito pelos autores".

À Lusa, a cantora sublinhou ainda a grande "solidariedade e profundidade" que pautava a amizade com António Mourão.

"Eu não sei onde ele nasceu, mas oxalá que de onde ele é, ou alguém de outra cidade, tenha uma recordação para o António e escrevam o nome dele numa pracinha, numa rua, num jardim", observou.

"Porque ele merecia pela forma tão elegante e tão fina como representou o seu país", concluiu a cantora que se celebrizou com o tema "Ele e Ela", da autoria de Carlos Canelhas.

António Mourão nasceu a 05 de junho de 1935, no Montijo, e morreu na madrugada de hoje na Casa do Artista, em Lisboa, aos 78 anos.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG