Warner Music vai ficar com a EMI portuguesa

A Parlophone, editora britânica responsável por edições dos Coldplay, Blur ou Kylie Minogue foi adquirida pela Warner Music por 575 milhões de euros.

A Parlophone foi em tempos um dos mais emblemáticos selos discográficos do Reino Unido. Foi com eles que os Beatles assinaram contrato e no seu catálogo tem ainda outros nomes de grande dimensão como Coldplay, Kylie Minogue ou Blur. Foi em tempos uma subsidiária da EMI.

No entanto, com a aquisição da EMI pela Universal Music, uma das regras impostas pela comissão europeia a respeito desta venda dava conta de que a Parlophone teria de ser vendida a um outro grupo discográfico. A "guerra" pela Parlophone foi travada por Simon Fuller (fundador do American Idol) que se uniu a Chris Blackwell (fundador da Island Records) contra uma aliança entre a Sony e a BMG e contra a Warner Music, que acabou por adquirir a editora por 575 milhões de euros, avança o Guardian.

Este negócio envolve ainda aquisição das subsidiárias Chrysalis e Ensing, além das operações da EMI na Bélgica, República Checa, Dinamarca, França, Noruega, Espanha, Eslováquia, Suécia e também Portugal.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.