The Gift, Orelha Negra, Black Mamba e Áurea atuam

Artistas portugueses vão partilhar o palco com músicos brasileiros na edição do Rio de Janeiro do festival Rock in Rio, que se realizará de 13 a 15 e de 19 a 22 de setembro.

"Juntos seremos mais fortes do que individualmente." Este é o lema dos Black Mamba, banda portuguesa que este ano vai tocar na edição do Rio de Janeiro do Rock in Rio, em parceria com a cantora Áurea, que se encontra atualmente em digressão pelo Brasil.

Mas não são os únicos. Os Orelha Negra também vão atuar no festival, ao lado do rapper brasileiro Renegado. E os The Gift vão voltar ao mesmo palco onde já estiveram em 2011, desta vez em parceria com o projeto AfroReggae, com o qual vão apresentar a Ópera Rio.

"Foi-nos pedido que o concerto de 2013 fosse não só uma parceria artística mas um acontecimento único para aquele palco e, desde então, que estou a pensar no conceito", começou por explicar ao DN Nuno Gonçalves, dos The Gift. "O AfroReggae é uma instituição que tem como objetivo primordial atuar e trazer cultura para as favelas e comunidades e achámos por bem associarmo--nos a essa causa. A nossa ideia é explorar o lado criativo deles, porque têm grupos de percussão, de circo, uma academia de DJ. Queremos pegar na qualidade artística que o AfroReggae tem e criar uma Ópera Rio", contou o músico.

Para os Orelha Negra será uma estreia na edição brasileira do festival, o que poderá ajudar na sua internacionalização: "Ajuda-nos no sentido de ao trabalharmos com uma pessoa de lá [Renegado] isso faz que tenhamos mais visibilidade. E a oportunidade de estar lá e de, eventualmente, poder também fazer algo fora do Rio de Janeiro é importante", disse ao DN o baterista Fred Pinto Ferreira.

Os Black Mamba também se vão estrear no Rock in Rio do Rio de Janeiro, mas estes vão atuar com uma cantora portuguesa, Áurea. "Acho que assim até será um concerto mais bem preparado e com mais carinho. Além de que a Áurea é uma artista poderosíssima, com uma belíssima voz e uma belíssima presença em palco e com músicas lindíssimas. Espero que o espetáculo supere todas as expectativas", afirmou o vocalista dos Black Mamba, Tatanka.

Este ano, o Rock in Rio no Brasil vai realizar-se de 13 a 15 e de 19 a 22 de setembro. Todas estas parcerias de músicos portugueses vão proporcionar-se no Palco Sunset do festival.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.