Spike Lee apresentou filme sobre Michael Jackson

Assinalam-se hoje 25 anos sobre a edição de 'Bad'. Para assinalar esta data, Veneza apresentou em estreia mundial o documentário Bad 25, que recorda esse álbum de 1987.

Com o sucesso megalómano de Thriller (1982), Michael Jackson ganhou uma dimensão planetária que fez dele e da sua música algo bem mais que um fenómeno pop passageiro. E como suceder a um álbum como Thriller? Michael Jackson respondeu com Bad (1987), que reafirmou o seu estatuto, desvendando também alguns sinais que iriam marcar a sua música daí em diante. Depois de Bad a vida de Michael Jackson nunca mais seria a mesma. Os escândalos iriam persegui-lo até ao seu desparecimento. Mas agora que se celebram 25 anos desde o seu lançamento, há que recordar como Bad foi, mais que tudo, um momento marcante na pop.

Spike Lee percebeu o valor que esse trabalho teve no percurso de Michael Jackson, daí que tenha realizado o documentário Bad 25, que hoje se estreia no Festival de Cinema de Veneza. Precisamente no dia em que se assinalam 25 anos desde o seu lançamento. O documentário pretende mostrar como Michael Jackson trabalhava em estúdio, e, além de incluir depoimentos de nomes que trabalharam com o cantor na altura (como o cineasta Martin Scorsese, que realizou uma curta de 18 minutos em torno da canção que deu título ao disco), mostra que músicos como Kanye West ou Cee Lo Green têm muito a dever a Jackson e a este álbum.

Por trás do cantor de casaco de cabedal que figura na capa de Bad (imagem que se tornou icónica) e de canções como Smooth Criminal, I Just Can"t Stop Loving You ou Man in the Mirror, estava o produtor Quincy Jones. Com ele Michael Jackson já tinha gravado no passado os álbuns Off the Wall e Thriller, formando assim um tríptico de discos que mudariam para sempre o cenário da música pop e que valeram a Michael Jackson o tíulo de "rei".

Ao contrário do que aconteceu com os anteriores álbuns, em Bad é notório como Michael Jackson teve uma liberdade criativa muito maior, assinando a composição de oito das dez canções que perfazem o alinhamento (da versão em vinil) e sendo também creditado como co-produtor.

Consequentemente, o disco acaba também por refletir em vários momentos sobre o estatuto mediático de que Michael Jackson gozava na altura. Por exemplo, Leave Me Alone, o oitavo single retirado do álbum, é um retrato da perseguição de que o cantor começou a ser alvo depois do sucesso monumental de Thriller. Na altura começaram a circular pelos tablóides as histórias mais estranhas em torno do músico. Entre elas, a de que dormia numa câmara de oxigénio para travar o envelhecimento.

Ainda assim, apesar do "ruído" que sempre foi criado em torno da figura de Michael Jackson, com Bad o músico cimentou ainda mais o seu sucesso. Além dos 45 milhões de cópias vendidas, dele saíram cinco singles que foram consecutivamente nº1 no top dos mais vendidos da Billboard.

A Bad World Tour, que promoveu o disco, arrecadou mais de 125 milhões de dólares (100 milhões de euros).

Durante essa digressão passou pelo Estádio de Wembley, a 16 de julho de 1988. O concerto será agora desvendado na reedição comemorativa dos 25 anos de Bad, que será lançada a 17 de setembro. Além do registo áudio e vídeo desse espetáculo, a reedição contempla ainda a versão remasterizada do álbum e um disco com temas extra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.