Reedições e inéditos para os 20 anos dos Ornatos Violeta

Os vinte anos da fundação da banda portuense Ornatos Violeta serão assinalados em Dezembro com a reedição dos dois álbuns de originais e de um CD com inéditos e raridades.

Fonte da editora Universal disse à Lusa que a 05 de Dezembro será lançada uma caixa que contém as reedições dos álbuns "Cão!" (1997) e "O Monstro Precisa de Amigos" (1999) e inclui também o disco "Inéditos/Raridades", com temas que estavam dispersos em compilações e outros nunca editados.

"Como Afundar", "Há-de Encarnar", "Devagar", "Rio de Raiva" e "Pára-me Agora" são os temas inéditos. Os quatro primeiros foram recuperados das sessões de gravação de "O Monstro Precisa de Amigos", enquanto o último fez parte das sessões do terceiro álbum de originais da banda, que nunca chegou a existir.

Este CD inclui ainda os temas "Dez Lamúrias por Gole" (editado em 1995 numa coletânea da revista Ritual), "Tempo de Nascer" (da compilação "Tejo Beat", de 1998), "Circo de Feras" (versão do tema dos Xutos & Pontapés para "XX Anos XX Bandas", de 1999) e "Marta" (lado B do single "Ouvi Dizer", de 1999).

Os Ornatos Violeta - Manel Cruz (voz), Peixe (guitarra), Elísio Donas (teclado), Nuno Prata (baixo) e Kinörm (bateria) -- surgiram em 1991 e duraram onze anos, durante os quais editaram apenas dois álbuns.

Apesar da vida curta, há um culto em torno da banda do Porto e em particular em torno do trabalho de Manel Cruz, autor da maioria das letras, e protagonista de outros projetos posteriores, como Pluto, SuperNada e Foge Foge Bandido.

O último concerto dos Ornatos Violeta aconteceu no Hard Club, no Porto, a 30 de Novembro de 2002. Manel Cruz despediu-se dizendo "Até um dia", deixando a porta entreaberta para um regresso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.