Quincy Jones exige direitos de autor de êxitos de Jackson

O produtor musical Quincy Jones exigiu aos gestores do património de Michael Jackson o pagamento dos direitos de autor de alguns dos êxitos do cantor.

De acordo com a imprensa norte-americana, Quincy Jones exigiu na sexta-feira 110 milhões de dólares (cerca de 80 milhões de euros) aos herdeiros do "rei da pop" em contrapartida pelos "danos sofridos".

A imprensa noticia igualmente que, segundo o produtor musical, os gestores do património "modificaram" parte da música que Jones produziu para Jackson, privando-o assim de receber pelos direitos de autor.

Jones acusa também os gestores de património de Jackson, e a discográfica Sony, de terem rompido um acordo que "lhe outorgava os direitos para remixar gravações originais de Jackson".

Quincy Jones, que produziu alguns dos grandes êxitos do falecido cantor, como "Off the Wall" e "Thriller", pretende que um juiz ordene aos gestores de património de Michael Jackson que "apresentem o valor total dos lucros", o que permitirá determinar o valor que o produtor poderá receber pelos direitos de autor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.