Quincy Jones exige direitos de autor de êxitos de Jackson

O produtor musical Quincy Jones exigiu aos gestores do património de Michael Jackson o pagamento dos direitos de autor de alguns dos êxitos do cantor.

De acordo com a imprensa norte-americana, Quincy Jones exigiu na sexta-feira 110 milhões de dólares (cerca de 80 milhões de euros) aos herdeiros do "rei da pop" em contrapartida pelos "danos sofridos".

A imprensa noticia igualmente que, segundo o produtor musical, os gestores do património "modificaram" parte da música que Jones produziu para Jackson, privando-o assim de receber pelos direitos de autor.

Jones acusa também os gestores de património de Jackson, e a discográfica Sony, de terem rompido um acordo que "lhe outorgava os direitos para remixar gravações originais de Jackson".

Quincy Jones, que produziu alguns dos grandes êxitos do falecido cantor, como "Off the Wall" e "Thriller", pretende que um juiz ordene aos gestores de património de Michael Jackson que "apresentem o valor total dos lucros", o que permitirá determinar o valor que o produtor poderá receber pelos direitos de autor.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.