Panda Bear toma conta do Lux esta noite

O membro dos Animal Collective é o responsável pelo programa de hoje na discoteca Lux, em Lisboa, sendo que o próprio vai dar um concerto em que apresentará só canções inéditas.

Panda Bear (Noah Lennox), o fundador dos Animal Collective que há nove anos fez de Lisboa a sua nova casa, escolheu todos os nomes que durante esta noite vão passar pela discoteca Lux, aproveitando a ocasião especial para também ele dar um concerto em que apresentará apenas canções inéditas. Por lá vão ainda passar os portugueses Gala Drop e Niagara, ou alguns amigos de longa data, como Eric Copeland (membro dos Black Dice) e bEEdEEgEE (Brian DeGraw, fundador dos Gang Gang Dance).

Não é a primeira vez que o músico assume o papel de curador, como o próprio recordou em entrevista ao DN. "Tive a sorte, com os Animal Collective, de organizar uma das edições do All Tomorrow"s Parties [festival britânico], por isso já tinha alguma experiência nesse campo."

Panda Bear tentou idealizar esta noite Green Ray no Lux (que no passado já contou com curadoria de artistas como Nicolas Jaar, Caribou ou Four Tet) como se "desenhasse" o seu festival ideal. "De certa forma é como um sonho tornado realidade", afirma.

O músico tem uma grande proximidade com a maioria dos artistas que escolheu, tendo já colaborado com uma boa parte deles. "Acho que essa ideia promove um bom ambiente na noite, a atmosfera fica mais positiva e, espero, isso levará a que as outras pessoas também se divirtam", explica.

Além dos músicos que programou para atuarem por toda a discoteca, Panda Bear vai ainda dar um concerto, centrado unicamente nas canções que está a preparar para virem a ser editadas no seu próximo álbum, que será o sucessor de Tomboy (2011). "Quando se tocam canções que as pessoas ainda não ouviram cria-se uma energia na sala muito especial. Pode ser uma experiência mesmo poderosa".

Na sua cabeça "cerca de 80%" do novo disco já está pronto. Em janeiro vai gravá-lo, mas não adianta uma data de lançamento. "Como as minhas previsões com o anterior falharam redondamente, desta vez acho melhor não dizer nada."

Esta noite as atuações começam a partir das 23.00 e os bilhetes custam 15 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.