Panda Bear conquistou na sua noite no Lux

Como prometido o músico apresentou apenas inéditos que deverão figurar num próximo álbum. Eric Copeland, Actress, bEEdEEgEE e Niagara foram outros dos músicos que passaram pela discoteca lisboeta.

Apresentar primeiro ao vivo uma mão cheia de canções inéditas, antes ainda de ter um álbum novo finalizado, já é prática corrente de Panda Bear (Noah Lennox), tanto no seu projeto a solo, como quando está acompanhado pelos seus colegas nos Animal Collective. No Lux, onde ontem atuou, tendo sido o curador de mais uma noite Green Ray, voltou a repetir a faceta e deu aquele que se pode assegurar como um dos concertos mais marcantes que Lisboa recebeu ao longo deste ano.

Apesar de já existir uma afinidade com a obra do músico, a verdade é que um espetáculo destes moldes não permite uma envolvência imediata, dado que desde o primeiro minuto se está a pisar terreno desconhecido para quem ouve (e vê). O concerto de Panda Bear começou também com uma exploração de paletas eletrónicas mais abrasivas e rugosas, com um trabalho mais vincado nas estruturas rítmicas e que fazia antever um distanciamento do aprumo pop a que levou cabo, de forma pouco convencional diga-se, no último Tomboy (2011). Esses temas iniciais enganaram. Mantendo afinidades com correntes da música de dança e com eletrónicas mais repetitivas, por vezes próxima do minimalismo, ontem à noite Panda Bear voltou a deixar muito vincada a ideia que é um dos grandes compositores de canções do nosso tempo. Os inéditos que apresentou revelam algumas das linhas melódicas vocais mais fortes do seu percurso a solo. São canções que voltam a baralhar as regras formalistas da pop, nunca o deixando de o ser, mas com uma personalidade tão vincada que poderiam ser outra coisa qualquer, sem estarem presas a gavetas estilísticas rígidas. A balada que apresentou na reta final do concerto, com uma melodia profundamente emotiva, da qual não se pode separar a entrega interpretativa, quase se poderia explicar como a visão de Panda Bear do yé yé, arrisca-se a ser uma das canções mais bonitas de 2014, e o novo ano ainda nem começou.

Mas, apesar de ter sido claramente a estrela da noite, muito mais se viveu ontem no Lux. Os concertos, aliás, começaram ainda antes de Panda Bear, com Eric Copeland, o membro dos Black Dice, que recentemente lançou a solo Joke in the Hole. Uma amálgama sonora, onde samples difusos chocam entre si, mas, no seu todo, conseguindo criar uma dinâmica rítmica que tornou a experiência envolvente.

Depois de Panda Bear seguiu-se bEEdEEgEE, projeto a solo de Brian DeGraw, dos Gang Gang Dance, que também muito recentemente lançou o álbum SUM/ONE. Mais que tudo foi uma experiência visual. O músico atuou dentro de uma cúpula de cortinas transparentes, onde iam sendo projetadas imagens com o mesmo carácter psicadélico que a sua música. Esta começou por ser mais contemplativa, aproximando-se a par e passo de formas de música de dança que escapam a cânones. Não se esperaria que repetisse as canções do álbum tal como as concebeu para esse formato, o que tornou ainda melhor a experiência, até porque em determinados casos os temas ganharam abordagens mais interessantes em palco, como aconteceu com a canção (F.U.T.D.) Time of Waste, que sem a voz de Alexis Taylor, que a prendia demasiado ao universo Hot Chip, se tornou em algo bem distinto.

A noite seguiu com o britânico Darren J. Cunningham, mais conhecido como Actress, que ainda no ano passado lançou o muito aclamado álbum R.I.P. Ainda que seja constantemente aplaudido pelo carácter experimental com que trabalha um híbrido sonoro, que pode passar pela jack house até à escola techno de Detroit, ainda assim a sua música acaba por ser tão cerebral e, por isso, muito pouco instintiva, que a envolvência é dificultada.

O mesmo não se passou com os Niagara, que começaram a atuar, junto ao bar do Lux, já na fase final de Actress. O trio de Loures, que se estreou este ano com o EP Ouro Oeste (pela Príncipe Discos), mostrou porque são dos nomes a ter mais em conta no cenário contemporâneo da música de dança produzida em Portugal. Recordaram a fase de ouro da Kaos Records, não descurando nunca da sua personalidade musical, onde a abordagem quase lo-fi os leva por caminhos mais abstratos, mas quase romântico na sua intuição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.