Panda Bear conquistou na sua noite no Lux

Como prometido o músico apresentou apenas inéditos que deverão figurar num próximo álbum. Eric Copeland, Actress, bEEdEEgEE e Niagara foram outros dos músicos que passaram pela discoteca lisboeta.

Apresentar primeiro ao vivo uma mão cheia de canções inéditas, antes ainda de ter um álbum novo finalizado, já é prática corrente de Panda Bear (Noah Lennox), tanto no seu projeto a solo, como quando está acompanhado pelos seus colegas nos Animal Collective. No Lux, onde ontem atuou, tendo sido o curador de mais uma noite Green Ray, voltou a repetir a faceta e deu aquele que se pode assegurar como um dos concertos mais marcantes que Lisboa recebeu ao longo deste ano.

Apesar de já existir uma afinidade com a obra do músico, a verdade é que um espetáculo destes moldes não permite uma envolvência imediata, dado que desde o primeiro minuto se está a pisar terreno desconhecido para quem ouve (e vê). O concerto de Panda Bear começou também com uma exploração de paletas eletrónicas mais abrasivas e rugosas, com um trabalho mais vincado nas estruturas rítmicas e que fazia antever um distanciamento do aprumo pop a que levou cabo, de forma pouco convencional diga-se, no último Tomboy (2011). Esses temas iniciais enganaram. Mantendo afinidades com correntes da música de dança e com eletrónicas mais repetitivas, por vezes próxima do minimalismo, ontem à noite Panda Bear voltou a deixar muito vincada a ideia que é um dos grandes compositores de canções do nosso tempo. Os inéditos que apresentou revelam algumas das linhas melódicas vocais mais fortes do seu percurso a solo. São canções que voltam a baralhar as regras formalistas da pop, nunca o deixando de o ser, mas com uma personalidade tão vincada que poderiam ser outra coisa qualquer, sem estarem presas a gavetas estilísticas rígidas. A balada que apresentou na reta final do concerto, com uma melodia profundamente emotiva, da qual não se pode separar a entrega interpretativa, quase se poderia explicar como a visão de Panda Bear do yé yé, arrisca-se a ser uma das canções mais bonitas de 2014, e o novo ano ainda nem começou.

Mas, apesar de ter sido claramente a estrela da noite, muito mais se viveu ontem no Lux. Os concertos, aliás, começaram ainda antes de Panda Bear, com Eric Copeland, o membro dos Black Dice, que recentemente lançou a solo Joke in the Hole. Uma amálgama sonora, onde samples difusos chocam entre si, mas, no seu todo, conseguindo criar uma dinâmica rítmica que tornou a experiência envolvente.

Depois de Panda Bear seguiu-se bEEdEEgEE, projeto a solo de Brian DeGraw, dos Gang Gang Dance, que também muito recentemente lançou o álbum SUM/ONE. Mais que tudo foi uma experiência visual. O músico atuou dentro de uma cúpula de cortinas transparentes, onde iam sendo projetadas imagens com o mesmo carácter psicadélico que a sua música. Esta começou por ser mais contemplativa, aproximando-se a par e passo de formas de música de dança que escapam a cânones. Não se esperaria que repetisse as canções do álbum tal como as concebeu para esse formato, o que tornou ainda melhor a experiência, até porque em determinados casos os temas ganharam abordagens mais interessantes em palco, como aconteceu com a canção (F.U.T.D.) Time of Waste, que sem a voz de Alexis Taylor, que a prendia demasiado ao universo Hot Chip, se tornou em algo bem distinto.

A noite seguiu com o britânico Darren J. Cunningham, mais conhecido como Actress, que ainda no ano passado lançou o muito aclamado álbum R.I.P. Ainda que seja constantemente aplaudido pelo carácter experimental com que trabalha um híbrido sonoro, que pode passar pela jack house até à escola techno de Detroit, ainda assim a sua música acaba por ser tão cerebral e, por isso, muito pouco instintiva, que a envolvência é dificultada.

O mesmo não se passou com os Niagara, que começaram a atuar, junto ao bar do Lux, já na fase final de Actress. O trio de Loures, que se estreou este ano com o EP Ouro Oeste (pela Príncipe Discos), mostrou porque são dos nomes a ter mais em conta no cenário contemporâneo da música de dança produzida em Portugal. Recordaram a fase de ouro da Kaos Records, não descurando nunca da sua personalidade musical, onde a abordagem quase lo-fi os leva por caminhos mais abstratos, mas quase romântico na sua intuição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.