Novo álbum de Amy Winehouse sairá a 5 de Dezembro

O terceiro, e póstumo, álbum da cantora inglesa Amy Winehouse sairá a 5 de Dezembro com o título "Lioness: Hidden Treasures" e inclui uma versão do tema "Garota de Ipanema", foi hoje anunciado no site oficial da artista.

Depois da morte da cantora, em Julho aos 27 anos, os produtores Mark Ronson e Salaam Remi, com quem Amy Winehouse estaria a preparar um novo disco, "passaram algum tempo a escutar as gravações que Amy fez antes, durante e depois da edição dos álbuns 'Frank' e 'Back to Black'", lê-se na página na Internet. Para os dois produtores, ficou claro que Amy Winehouse deixou "uma colecção de canções que merecem ser ouvidas". O álbum apresenta 12 temas - entre inéditos, canções nunca antes editadas e versões - todos eles escolhidos pelos dois produtores em conjunto com a família de Amy Winehouse e a editora Island Records.

Do alinhamento fazem parte o tema inédito "Between the cheats", gravado em Londres em maio de 2008, "Our Day Will Come", uma versão reggae de um tema dos anos 1960 e gravado por Amy Winehouse em 2002. Há ainda uma primeira gravação de "Tears dry on their own", tema incluído no álbum "Back to Black", uma versão de "Will you still love me tomorrow", com a participação dos Dap Kings, e outra de "Valerie", um original dos Zutons. "The Girl from Ipanema" ("Garota de Ipanema"), um clássico da bossa nova, de 1962, de Vinicius de Moraes e Tom Jobim, também entra no alinhamento, porque foi a primeira canção que Amy Winehouse cantou em 2002, então com 18 anos, quando gravou com Salaam Remi.

Há ainda "Like Smoke", que conta com a participação do rapper Nas, e "Body & Soul", um dueto com Tony Bennett e o último registo que Amy Winehouse gravou antes de morrer. Parte das receitas de vendas deste álbum reverterão a favor da fundação Amy Winehouse, que os pais da cantora decidiram criar. Os dois álbuns que Amy Winehouse deixou editados, "Frank" (2003) e "Back to Black" (2006), bateram recordes de vendas depois da morte. Amy Winehouse morreu a 23 de Julho em Londres, aos 27 anos, e na origem da morte terá estado a ingestão excessiva de álcool.

De acordo com uma investigação policial divulgada na semana passada, a morte da cantora foi "acidental", tendo sido detectada uma taxa de alcoolemia de 416 miligramas por litro de sangue, suficientes para "deixar de respirar e entrar em coma".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).