No princípio era a palavra, depois o amor

Seis anos depois do nascimento oficial, os 'Crimes do dR. estranhoamor' são finalmente revelados. Um disco que, dizem os próprios, revela uma enorme paixão pela palavra e o amor pela arte.

Enquanto Clay, foram reconhecidos como uma das revelações nacionais do início de século. Depois, alguns dos músicos desta banda que via em Jeff Buckley a sua grande referência pediram a um amigo (Hugo Costa, mais tarde guitarrista) que escrevesse algumas letras em português e tudo fez tanto sentido que o caminho estava encontrado. "As nossas grandes referências são anglo-saxónicas mas exprimimo-nos e pensamos em português", defende o teclista Borges.

Entre 2003 e 2006, trataram de compor a grande maioria dos temas que agora apresentam no álbum de estreia Os Crimes do dr. Estranho Amor. Embora defendam que "uma canção nunca está concluída", o hiato de três anos entre a definição de uma primeira etapa do processo criativo e a edição do disco deve-se a dois factores: "nunca sentimos pressão para editar o disco porque todos tocamos com outras bandas", explica o baterista Tutxi (antigo músico dos Monsterpiece e Entre Aspas). "Queríamos que o disco fosse exactamente aquilo que queríamos", acrescenta. Por outro lado, avanços e recuos na relação com editoras - por exemplo, a Sony Music - e a avaliação da melhor forma de levar a música ao público adiaram a revelação dos primeiros Crimes do dr. Estranho Amor. Mas o sonho continuou sempre presente.

Curiosamente, a primeira colecção de canções do grupo de Almada chega num período em que a língua portuguesa volta a estar na ordem do dia. "Tem havido uma grande mudança. Até há poucos anos, sentia-se um grande preconceito. As pessoas não assumiam os sentimentos", diz o teclista Borges (que tal como o baterista Tutxi e o baixista Cebola tocam, actualmente, com Rita Redshoes).

A referência ao filme homónimo de Stanley Kubrick nasceu com uma letra e "acabou por fazer sentido pela relação com o cinema e pelas diversas leituras que o nome podeassumir". A banda actua hoje no Maus Hálitos (Porto).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...