Metallica atuam na Antártida para plateia com auscultadores

Era o único continente em que a banda não tinha atuado, mas isso acabou no domingo com um espetáculo para um grupo de 100 pessoas (fãs, cientistas, tripulantes) dentro de uma cúpula e com fones nos ouvidos.

Os Metallica concretizaram o desejo de atuar no único continente onde ainda não o haviam feito, mas fizeram-no de forma a proteger o ambiente. As cerca de 100 pessoas que assistiram ao concerto, que se realizou no domingo, no heliporto da base argentina de Carlini, usaram fones para ouvir a música, de forma a evitar impactos ambientais. Além disso, o grupo de 'heavy metal' usou placas solares.

O grupo norte-americano atuou sob uma cúpula transparente, com 12 metros de diâmetro e seis de altura, que protegeu toda a gente das temperaturas negativas que se faziam sentir.

A maior parte das pessoas que assistiram ao espetáculo eram cientistas de vários países que trabalham na Antártida, mas também um grupo de 19 fãs de vários países que concorreu à iniciativa, e elementos da tripulação do barco que levou os Metallica até destino tão remoto.

Depois de se assegurarem que os fones da plateia estavam a funcionar, os Mettalica deram origem ao concerto. "Estão prontos para fazer História?", perguntou James Hetfield. Perante a resposta positiva, iniciou-se o espetáculo, que incluiu temas como "Creeping Death", "Sad but True", "Blackened" e "Nothing else Matters" e que durou cerca de uma hora.

Apesar de raro, este concerto não foi o primeiro a acontecer na Antártida. Segundo a "Rolling Stone", o grupo Nunatak, composto por cientistas, fez várias atuações de sensibilização para o aquecimento global, um deles no continente gelado.