Maria João Pires nomeada para os Grammy

A pianista Maria João Pires voltou a ser nomeada como Melhor Intérprete a Solo para os prémios de música norte-americanos Grammy, foi hoje divulgado.

Maria João Pires foi nomeada na categoria de Melhor Intérprete a Solo pelo álbum Sonatas n.ºs 16 e 21 de Franz Schubert, editado em fevereiro último pela Deutsche Grammophon.

A nomeação de Maria João Pires para a 56.ª edição dos Grammy sucede à nomeação da pianista para a mesma categoria dos prémios de música norte-americanos em 2009.

O novo álbum da pianista integra a sonata n.ºs 16 em Lá menor e a Sonata n.º 21 em Si bemol maior.

A Sonata n.º 16 foi apresentada pelo compositor austríaco como a sua "Primeira Grande Sonata" quando a deu para imprimir no outono de 1825, tendo-a dedicado ao arquiduque Rudolfo da Áustria, em sinal de gratidão para com o mecenas da música.

Já a Sonata n.º 21, a derradeira de Franz Schubert, foi terminada pouco antes da morte do compositor e é considerada uma das mais substanciais obras para piano da última fase de Schubert, escreve o musicólogo Michael Kube, na apresentação do disco.

A pianista portuguesa gravara já a última Sonata de Schubert, com alguns "Impromptus", na década de 1980.

Este disco, um duplo CD da pianista, publicado em 1997, vendeu mais de 100.000 unidades.

Nascida a 23 de julho de 1944, em Lisboa, Maria João Pires é a mais internacional pianista portuguesa, tendo chamado a atenção do público e da crítica com a vitória no Concurso Beethoven, em Bruxelas, em 1970, após o que gravou, na íntegra, as Sonatas para piano, de Mozart.

A pianista, que também inclui no seu repertório Chopin, Bach, Schumann e Beethoven, entre outros compositores, tem-se apresentado com regularidade nas principais salas de concerto, a nível mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.