La Féria estreia hoje a sua 'Piaf' nos Açores

O musical Piaf, de Filipe La Féria, inspirado na vida da cantora francesa, estreia-se hoje nos Açores. O espectáculo, adaptado do texto de Pam Gems, encerra o XI Festival de Teatro de Angra do Heroísmo.

Ao DN o encenador justificou a opção de apresentar a peça na ilha Terceira com "o convite dirigido pelo festival" e também "pela ironia de ter sido nos Açores que morreu o grande amor de Piaf, Marcel Cerdan". Campeão mundial de boxe, Cerdan partira de Paris para Nova Iorque a bordo de um Lockheed Constellation da Air France, que se despenhou no lugar do Pico Alto, na ilha de São Miguel, a 28 de Outubro de 1949.

Sobre Piaf - interpretada por Wanda Stuart e Sónia Lisboa - La Féria diz ser "um musical diferente" que revê "o percurso de uma artista que viu o teatro de todos os lugares". O encenador e Noémia Costa, que dá corpo a Toine (amiga de Piaf), defendem ser "um texto que reflecte sobre a vida artística". A actriz diz que "é uma oportunidade para o público perceber que os artistas são seres humanos". Piaf "desmistifica a ideia de os pintores, actores e músicos serem aliens de um planeta distante com vida fantástica".

La Féria compara Piaf a Amália Rodrigues para justificar que "o artista é aquele que tem talento" e recorda ter crescido a ouvir a cantora, que considera "o grande nome da música francesa". Foi Piaf "quem lançou nomes como Charles Aznavour ou George Moustaki", também responsáveis por tornarem "a cultura francesa num farol do mundo ainda antes do domínio anglo-saxónico".

Noémia Costa conhecia mal Piaf e fala de alguém que "levou uma vida dura de amor" e a quem foram arrancadas "as pessoas que mais amou". Piaf , o espectáculo, é "um grande soco no estômago". A protagonista da peça reconhece a importância "de mostrar às pessoas como foi verdadeiramente a vida de Edith Piaf". Enquanto experiência pessoal, assume a possibilidade de "mostrar ao público" que não é apenas "uma actriz cómica", rótulo à qual está "habituada".

Após a estreia açoriana, Piaf vai na próxima semana para o pequeno auditório do Rivoli, no Porto. Ao lado, no Grande Auditório, estreia--se, também na próxima semana, o "polémico" novo musical de La Féria, A Gaiola das Loucas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.