Ivete Sangalo colocou fim ao frio na Cidade do Rock

A cantora brasileira recuperou a fórmula de sucesso e fechou o primeiro dia de festival.

Ivete Sangalo é, a par dos Xutos & Pontapés, a única artista que esteve presente em todas as edições do Rock in Rio-Lisboa ao longo dos últimos dez anos, sendo que neste primeiro dia foi-lhe concedida a responsabilidade de encerrar pela primeira vez o Palco Mundo, agora que está também a celebrar duas décadas de carreira.

Prova de que independentemente das vezes que passe pelo Parque da Bela Vista a receção à cantora será sempre bastante efusiva é o facto desta primeira noite de festival ter sido marcada pelas temperaturas baixas o que, nem assim, fez arredar pé muitos dos milhares presentes. Aliás, até a cantora salientou no início do espetáculo: "Não existe frio onde a Ivete está."

Vestida "como uma rainha", como a própria afirmou, Ivete Sangalo recuperou várias das canções que possibilitaram que o seu nome seja um dos mais populares e bem sucedidos da música brasileira. Foram o caso de Eva, Flor de Reggae ou da balada Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim, interpretada a viva voz pelos milhares de espetadores presentes na Bela Vista.

Depois de algumas baladas a cantora afirmou perentoriamente: "Acabou esse negócio da mulher romântica, agora vem a mulher maluca." Seguiram-se nessa reta final as canções ritmadas que são imagem de marca de Ivete, como Festa e Poeira, sendo que nesta última a cantora desceu até às grades para cumprimentar os seus fãs, tendo até dado oportunidade a alguns deles de cantarem consigo o tema.

E assim, durante mais de uma hora e meia, Ivete Sangalo voltou assim a conquistar o Rock in Rio-Lisboa. Prometido, desde já, ficou o seu regresso a Portugal em março de 2015.

O festival regressa já na quinta-feira, dia em que atuarão na Cidade do Rock os muito aguardados Rolling Stones. Até domingo vão aindar passar pelo certame Linkin Park, Queens of the Stone Age (sexta-feira), Arcade Fire (sábado) e Justin Timberlake (domingo).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.