Festival Caixa Alfama volta nos dias 19 e 20 de setembro

Ricardo Ribeiro, Carminho, Pedro Moutinho, Katia Guerreiro e Sara Correia são os nomes já confirmados para a segunda edição do festival.

Depois do sucesso que foi a primeira edição no ano passado, nos próximos dias 19 e 20 de setembro o Festival Caixa Alfama volta a "invadir" este bairro lisboeta, com concertos de 40 fadistas, repartidos por dez espaços diferentes.

Luís Montez, da Música no Coração, avançou no Museu do Fado alguns dos primeiros artistas confirmados para esta segunda edição do festival. Entre eles estão Carminho, Pedro Moutinho, Katia Guerreiro e uma nova aposta, Sara Correia. Ricardo Ribeiro, que marcou presença no Caixa Alfama em 2013, volta este ano, mas desta vez para atuar no palco maior do certame.

O organizador referiu ainda que nesta segunda edição se realizará um tributo, não tendo avançado a quem e quais os seus intervenientes, bem como um concerto de uma artista pop, que deverá apresentar um espetáculo pensado para o Caixa Alfama.

O festival estará repartido entre o Museu do Fado, o Largo das Alcaçarias, as igrejas de São Miguel e de Santo Estevão, a Sociedade Boa União, o Grupo Sportivo Adicense, o Centro Cultural Dr. Magalhães Lima e o Palco Caixa. Este ano junta-se ainda a Fonte do Poeta, que não foi contemplada na primeira edição.

O passe para o certame, que dá direito a todos os concertos nos dois dias, tem o preço de 35 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.