Festival Caixa Alfama volta nos dias 19 e 20 de setembro

Ricardo Ribeiro, Carminho, Pedro Moutinho, Katia Guerreiro e Sara Correia são os nomes já confirmados para a segunda edição do festival.

Depois do sucesso que foi a primeira edição no ano passado, nos próximos dias 19 e 20 de setembro o Festival Caixa Alfama volta a "invadir" este bairro lisboeta, com concertos de 40 fadistas, repartidos por dez espaços diferentes.

Luís Montez, da Música no Coração, avançou no Museu do Fado alguns dos primeiros artistas confirmados para esta segunda edição do festival. Entre eles estão Carminho, Pedro Moutinho, Katia Guerreiro e uma nova aposta, Sara Correia. Ricardo Ribeiro, que marcou presença no Caixa Alfama em 2013, volta este ano, mas desta vez para atuar no palco maior do certame.

O organizador referiu ainda que nesta segunda edição se realizará um tributo, não tendo avançado a quem e quais os seus intervenientes, bem como um concerto de uma artista pop, que deverá apresentar um espetáculo pensado para o Caixa Alfama.

O festival estará repartido entre o Museu do Fado, o Largo das Alcaçarias, as igrejas de São Miguel e de Santo Estevão, a Sociedade Boa União, o Grupo Sportivo Adicense, o Centro Cultural Dr. Magalhães Lima e o Palco Caixa. Este ano junta-se ainda a Fonte do Poeta, que não foi contemplada na primeira edição.

O passe para o certame, que dá direito a todos os concertos nos dois dias, tem o preço de 35 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.