Festival Caixa Alfama levará 40 fadistas ao bairro lisboeta

A primeira edição do certame realizar-se-á em 10 espaços de Alfama e já estão confirmadas atuações de Ana Moura, António Pinto Basto, Camané, Gisela João, Ricardo Ribeiro ou Hélder Moutinho.

A 20 e 21 de setembro o bairro lisboeta de Alfama transformar-se-á num festival de fado, o Caixa Alfama - Aqui Mora o Fado, cuja primeira edição contará com concertos de 40 fadistas em 10 espaços diferentes do bairro.

Organizado pela promotora Música no Coração e pela Caixa Geral de Depósitos, o Festival Caixa Alfama vai decorrer em dois espaços do Museu do Fado, no Palco Caixa, no Pavilhão Arena, na Sociedade Boa União, no Clube Sportivo Adicense, na Igreja de São Miguel, na Igreja de Santo Estevão, no Centro Cultural Dr. Magalhães Lima e no Largo das Alcaçarias.

Estão confirmados para estas duas noites concertos de fadistas como Aldina Duarte, Ana Moura, António Pinto Basto, António Zambujo, Camané, Cuca Roseta, Gisela João, Hélder Moutinho, Marco Rodrigues, Raquel Tavares, Ricardo Ribeiro ou Teresa Lopes Alves. Serão ainda confirmados outros nomes para a primeira edição deste Festival Caixa Alfama.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.