Ed Sheeran com o coração na lapela na Bela Vista

O cantor britânico foi acolhido por um mar de adolescentes no Parque da Bela Vista nesta sua estreia em palcos portugueses.

Aos 23 anos Ed Sheeran tem no seu currículo a composição de canções para alguns dos mais mediáticos artistas pop do momento, dos One Direction a Taylor Swift. Não é por isso de admirar que o público que o recebeu hoje no Rock in Rio-Lisboa fosse dominado por adolescentes, com muitos cartazes em riste com mensagens dirigidas ao cantor, neste que foi o seu primeiro concerto em Portugal.

Sozinho em palco, munido apenas de uma guitarra acústica, o cantor apresentou as suas canções de coração na lapela, simples e explicitamente pop nas suas formas, o que contribui para que seja um fenómeno entre adolescentes, que o receberam entusiasticamente.

Apesar de atuar sem uma banda de suporte, ainda assim o músico utiliza o sampler para construir ao vivo as suas canções, ainda que domine sempre a simplicidade, eficaz no impacto emocional entre o público infanto-juvenil.

Durante uma hora apresentou não só as canções do álbum com que se mostrou ao mundo, intitulado + (2011), onde se encontram You Need Me, I Don't Need You, Lego House ou The A Team, mas aproveitou a ocasião para também interpretar alguns dos temas que farão parte do seu próximo disco, X, a ser lançado a 23 de junho. O single de apresentação, Sing, que resulta de uma parceria com Pharrell Williams, foi o tema final, bem conhecido da sua base de admiradores.

Essa colaboração com um nome tão ligado ao hip hop como Pharrell não é totalmente inusitada, uma vez que na interpretação de alguns dos seus temas Sheeran tenta rappar, ainda que nunca vista propriamente as funções de um rapper.

Além das suas canções, o músico fez ainda uma versão de Be My Husband, tema celebrizado na voz de Nina Simone.

A Ed Sheeran segue-se a neozelandesa Lorde, que também atuará pela primeira vez em Portugal. O final da noite ficará por conta dos canadianos Arcade Fire, a bordo da digressão de apresentação do álbum Reflektor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.