dr.estranhoamor actuam hoje à noite no MusicBox

A banda portuguesa dr.estranhoamor actua hoje, pelas 23.00, no MusicBox, em Lisboa, onde apresentará na íntegra o álbum de estreia, intitulado Os crimes do dr.estranhoamor e outras estórias, que será lançado em Junho, em edição de autor. O espectáculo será repetido a 19 de Junho, no Porto, no Maus Hábitos.

Formada por seis músicos que já estiveram envolvidos em projectos como Balla, Bulllet, Entre Aspas ou Líderes da Nova Mensagem, esta banda pop rock surgiu em 2003, em Almada, e tem dado concertos com regularidade. Três dos seus elementos integram, desde 2008, a banda que acompanha Rita Redshoes.

"Grande parte dos temas são recentes, mas há canções que foram aperfeiçoadas, têm a mesma base melódica, mas estão irreconhecíveis", explicou à Lusa o vocalista, Zeal (Luís Martins), dando como exemplo o primeiro single, Mais do Mesmo.

A cantar agora em português (o que lhes trouxe maior receptividade do público), os dr.estranhoamor apresentam no álbum de estreia uma componente visual romântica, que evoca os ambientes cinematográficos de Tim Burton, revelou Zeal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.