Andreia Pinto Correia premiada no Massachusetts

A compositora Andreia Pinto Correia foi uma das premiadas este ano pela Fromm Music Foundation, da Universidade de Harvard, no Estado norte-americano de Massachusetts.

O musicólogo Rui Vieira Nery salientou à Lusa "a carreira brilhante" que esta portuguesa está a fazer nos Estados Unidos, "com um estilo pessoalíssimo em que se encontram os seus itinerários simultâneos no jazz e na música erudita".

Natural de Lisboa, Andreia Pinto Correia atualmente faz o doutoramento em composição no New England Conservatory, em Boston, na classe de Michael Gandolfi. Pinto Correia concluiu também um mestrado em música e um outro em composição para cinema e jazz no Berklee College of Music, de Massachusetts.

O prémio é constituído por uma residência artística de quatro semanas em La Mortella, que foi a última residência de Sir William Walton na ilha italiana de Ischia, frente a Nápoles, segundo o sítio na Internet da Fromm Music Foundation, instituída por Paul Fromm, falecido em 1987.

Em 2010 a portuguesa foi a compositora convidada do Dinosaur Annex Music Ensemble, de Boston, e recebeu também encomendas do Tanglewood Music Centre, da OrchestrUtopica, da Drumming GP, do Avian Music Contemporary Ensemble e da RDP-Antena2.

Compôs duas peças para tuba dedicadas a Sérgio Carolino, da Orquestra Sinfónica do Porto e a Anne Jelle Visser, da Orquestra da Ópera de Zurique, entre outras, como uma encomenda do Machina Mundi Ensemble.

O seu Concerto para Duas Tubas, "Adamastor", foi finalista, em 2010, do G. Harvey Award Phillips de Excelência em Composição, entre outras distinções como a bolsa que recebeu em 2009 da National Orchestral Composition Discovery Network/Memphis Symphony Orchestra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.