A Califórnia passa pela discoteca Lux

Dâm-Funk, já na sexta-feira (dia 11), e os Best Coast, a 19 de Abril, são dois nomes vindos da Califórnia que passam este ano pelo Lux, em Lisboa.

Em 2009, o californiano Damon G. Riddick, que actua sob o nome artístico Dâm-Funk, editou a colecção de 5 Lps intitulada 'Toeachizown'. Companheiro de editora de nomes da nova música 'soul' como Aloe Blac ou Mayer Hawthorne na Stones Throw Record, Dâm-Funk iniciou, com esta compilação (também disponível num formato reduzido de dois Cds) um percurso distinto por memórias do 'funk' electrónico dos anos 80. Em 2010, já actuara no Lux (Lisboa), agora, regressa ao espaço lisboeta para um novo espectáculo, em regime de DJ-Set, já na Sexta-Feira (dia 11). O ano passado, o músico editou uma nova compilação de trabalhos datados entre 1988 e 1992 intitulada 'Adolescent Funk'.

Também da Califórnia (EUA) chegam, embora só a 19 de Abril, os Best Coast, a banda da vocalista e guitarrista Bethany Cosentino. Com um som derivado do 'indie-rock', embora em topografias mais próximas do 'surf' ou do 'lo-fi' menos ruidoso das últimas décadas do que de uns The National, os Best Coast, que o ano passado apresentaram o primeiro longa-duração, intitulado 'Crazy For You', vão apresentar-se no Lux com a antiga baterista das Vivian Girls, Ali Khoeler.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.