600 bandas quiseram atuar na Festa do Avante

A direção da Festa do Avante! recebeu este ano "cerca de 600 propostas" de artistas e/ou grupos portugueses para atuarem na edição deste ano, disse hoje à agência Lusa Ruben de Carvalho, um dos diretores do certame.

"Nós recebemos, para este ano, de propostas para vindas à festa de grupos portugueses que nos mandaram CD, dossiês, maquetas... cerca de 600 propostas que nos levou a ouvir e a fazer a seleção e é claro que isto é um universo que permite uma seleção muito variada", disse Ruben de Carvalho à Lusa, à margem da conferência de imprensa de apresentação da 38.ª edição da Festa, realizada na Quinta da Atalaia, concelho do Seixal (Setúbal).

Além da quantidade e diversidade de oferta que tiveram para esta edição da Festa - a decorrer naquele espaço nos dias 5, 6 e 7 de setembro - que contribuiu para manter a "tónica muito nacional no programa [musical]", Ruben de Carvalho disse ainda terem tido "mais tempo" para preparar o certame.

"O ano passado tivemos eleições e o critério de seleção ressentiu-se um pouco dessa falta de tempo acabando nós por não conseguir ir tão longe quanto queríamos em alternativas", referiu.

A edição deste ano registou, igualmente, um aumento no número de voluntários que ajudam a construir a festa, disse Alexandre Araúdo, do secretariado do Comité Central do PCP.

Para Ruben de Carvalho, a "grande diferença" desta edição da Festa consiste em manterem "a tónica" na música nacional, aliando-a com "uma maior presença de artistas estrangeiros".

Privilegiar os artistas portugueses é desde há uns anos "uma opção clara", disse, alegando serem poucos os festivais - mesmo os que têm uma componente étnica forte - que não privilegiam a música estrangeira.

Temos até a preocupação do ponto de vista técnico e cénico de lhes dar mais e melhores oportunidades", razão por que este ano o palco 25 de abril foi alvo de obras que lhe permite ter "uma componente luminotécnica bastante maior que em anos anteriores".

Ruben de Carvalho referiu ainda o facto de a importância da Festa não se esgotar na oferta musical, destacando, nomeadamente uma exposição patente no espaço central, intitulada "Os valores de abril no futuro de Portugal". Trata-se de uma mostra sobre o 25 de Abril de 1974 e o antes do 25 de abril que fará um "percurso histórico das últimas décadas da vida do povo português".

Para o dirigente comunista, o "ambiente de grande fraternidade, grande alegria e grande segurança" são "um traço característico da Festa" e talvez "uma das razões por que é inteiramente justo chamar-lhe a festa do Portugal de Abril". "Abril devia ser assim", concluiu.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.