Enchente no Coliseu no regresso dos Pixies

Banda norte-americana apresentou-se com nova formação (já sem Kim Deal) e revisitou os momentos altos da sua carreira.

Para muitos o que se viveu no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, foi como viajar numa máquina do tempo e recuar uns 20 anos. Ou mais, dado que em 1991 os Pixies pisarem precisamente este palco na Rua das Portas de Santo Antão. Nessa altura o grupo ainda não se tinha separado, nem perdido de vista Kim Deal, que hoje está noutras andanças por conta própria.

Desses milhares que embarcaram nesta viagem nostálgica, boa parte já usa sapato de vela e camisa bem engomada por dentro das calças. Mas muitos outros caíram na tentação de ir apanhar às últimas gavetas do armário a T-shirt da banda que só serve para ocasiões como esta.

A banda mostrou-se igual a si mesma, interpretando canção atrás de canção em catadupa, sem dirigir uma palavra ao público que tem à sua frente. O que não é, de todo, um problema. Ao menos ninguém leva com bajulações em piloto automático, previamente ensaiadas.

Canções como Wave of Mutilation, Debaser, Break My Body ou Monkey Gone to Heaven continuam a ter um efeito galvanizador entre as massas, mesmo entre aqueles que transformaram a rebeldia adolescente num bom pólo da marca do momento.

Aliado ao cuidado jogo de luzes que deu uma outra dimensão ao espetáculo visual apresentado, a banda revisitou tudo (ou quase tudo) o que aqueles milhares de fãs esperavam e pediam. Recuperaram clássicos como Here Comes Your Man ou Where Is My Mind (esta com direito a coro de vozes do público), mas também lembraram os novos temas lançados este ano - como Bag Boy - mas que pouco interesse suscitam.

Mesmo que hoje Kim Deal já não esteja presente (tendo sido substituída por Kim Shattuck), poucos sentiram que essa alteração tenha provocado danos maiores na personalidade dos Pixies.

O que se viveu no coliseu foi a celebração de uma memória coletiva, de uma época de quando os próprios Pixies estavam a delinear a história do indie rock. E com esse propósito o grupo foi mais que eficaz e, por isso, foi acolhido de braços abertos por quem cresceu a ouvi-los.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG