Cavaquinho trabalhado para ser Património da UNESCO

Foi José Afonso que levou Júlio Pereira a dedicar-se ao cavaquinho, um pequeno instrumento desenvolvido no Minho que correu mundo. O músico que ficou famoso com este instrumento quer agora vê-lo protegido pela UNESCO. Júlio Pereira, aos 60 anos, regressa ao cavaquinho três décadas depois de ter lançado o disco que o tirou do anonimato

Não foi por causa do álbum Cavaquinho.pt , lançado na segunda-feira no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, que Júlio Pereira começou a investigar o ukulele, o "derivado" havaiano do cavaquinho português. O caminho que levaria à Associação Cultural Museu Cavaquinho traçou-se nas "dificuldades que os músicos portugueses vivem hoje para a edição de um disco", explica o músico ao DN. Depois de fazer o disco comemorativo do instrumento que o tirou do anonimato há 30 anos, Júlio Pereira iniciou, em 2012, uma pesquisa sobre o cavaquinho e que deverá dar origem a uma candidatura a Património Mundial da UNESCO.

LEIA MAIS PORMENORES NA EDIÇÃO E-PAPER DO DN:

Exclusivos