Cantor e compositor JJCale morreu aos 74 anos

Compôs para Eric Clapton e Johnny Cash, entre muitos outros. O cantor e compositor americano JJ Cale morreu sexta-feira na Califórnia, de ataque cardíaco, aos 74 anos, podia ler-se no seu site.

Nascido no estado americano do Oklahoma, JJ Cale teve uma carreira com mais de meio século. E canções como After Midnight e Cocaine, compostas para Eric Clapton nos anos 70, foram alguns dos seus maiores sucessos.

Os dois voltaram a juntar-se em 2006 para gravar o álbum The Road to Escondido, que valeu um Grammy a JJ Cale.

O músico compôs ainda temas para Johnny Cash, Lynyrd Skynyrd, Santana, The Allman Brothers ou The Band.

Depois da edição do seu último álbum de estúdio, Roll On, gravado em 2009, JJ Cale confessava: "Lembro-me do meu primeiro álbum. Tinha 32 ou 33 anos e pensava ser demasiado velho. Mas agora dou por mim a fazer isto aos 70 anos. Por vezes pergunto-me o que estou a fazer aqui, estava melhor a preguiçar em qualquer lado".

Mas para este artista eclético, guitarrista, produtor, engenheiro, cantor, compositor, a música era uma vocação. Recentemente escrevera Angel, uma canção do álbum de Eric Clapton editado em março. Na gravação era o próprio JJ Cale quem tocava guitarra.

Numa entrevista à revista Vanity Fair há alguns anos, Eric Clapton garantia que JJ Cale era a pessoa que mais admirava no mundo. E segundo o site do agente do músico, Neil Young terá dito a mesma coisa: "De todos os músicos que já ouvi, Jimmy Hendrix e JJ Cale são os melhores a tocar guitarra elétrica".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.