Beethoven

A celebração do centenário de Herbert von Karajan deu azo a que a sua editora de sempre (a DG) lançasse gravações inéditas de récitas históricas de ópera por ele dirigidas. Este Fidelio foi uma delas: subiu à cena da Ópera Estatal de Viena (de que Karajan era, então,  director musical e artístico) a 25 de Maio de 1962, sendo justamente da noite de estreia a presente gravação – ela que integra, aliás, uma série intitulada “Wiener Staatsoper Live”, contendo gravações procedentes dos arquivos, seja da própria instituição, seja da ORF. Para este Fidelio, Karajan recorreu apenas a cantores do ensemble da casa. Mas que  cantores! Christa Ludwig (na sua estreia como Leonore/Fidelio), Jon Vickers (estreara-se como Florestan no ano anterior), Gundula Janowitz (estreia como Marzelline), Walter Berry (idem no Don Pizarro), Eberhard Waechter (ibid. no Don Fernando), Waldemar Kmentt (Jaquino), Walter Kreppel (Rocco). Vickers não estava no seu melhor nesta noite, mas   praticamente subsume as deficiências ao serviço da verosimilhança dramática e é, de resto, arrastado pela vividez da Leonore de Ludwig (que compete, mesmo, com Karajan nesse aspecto!...), porta-bandeira da emoção e electricidade que varreu aquela récita, bem palpáveis à mera audição deste documento sonoro.


4/5
Clássica
Beethoven – Fidelio (grav. ao vivo)
SOLISTAS, CORO E ORQ.
ÓPERA DE VIENA | KARAJAN
DEUTSCHE GRAMMOPHON | UNIVERSAL

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG