Andreia Pinto Correia premiada no Massachusetts

A compositora Andreia Pinto Correia foi uma das premiadas este ano pela Fromm Music Foundation, da Universidade de Harvard, no Estado norte-americano de Massachusetts.

O musicólogo Rui Vieira Nery salientou à Lusa "a carreira brilhante" que esta portuguesa está a fazer nos Estados Unidos, "com um estilo pessoalíssimo em que se encontram os seus itinerários simultâneos no jazz e na música erudita".

Natural de Lisboa, Andreia Pinto Correia atualmente faz o doutoramento em composição no New England Conservatory, em Boston, na classe de Michael Gandolfi. Pinto Correia concluiu também um mestrado em música e um outro em composição para cinema e jazz no Berklee College of Music, de Massachusetts.

O prémio é constituído por uma residência artística de quatro semanas em La Mortella, que foi a última residência de Sir William Walton na ilha italiana de Ischia, frente a Nápoles, segundo o sítio na Internet da Fromm Music Foundation, instituída por Paul Fromm, falecido em 1987.

Em 2010 a portuguesa foi a compositora convidada do Dinosaur Annex Music Ensemble, de Boston, e recebeu também encomendas do Tanglewood Music Centre, da OrchestrUtopica, da Drumming GP, do Avian Music Contemporary Ensemble e da RDP-Antena2.

Compôs duas peças para tuba dedicadas a Sérgio Carolino, da Orquestra Sinfónica do Porto e a Anne Jelle Visser, da Orquestra da Ópera de Zurique, entre outras, como uma encomenda do Machina Mundi Ensemble.

O seu Concerto para Duas Tubas, "Adamastor", foi finalista, em 2010, do G. Harvey Award Phillips de Excelência em Composição, entre outras distinções como a bolsa que recebeu em 2009 da National Orchestral Composition Discovery Network/Memphis Symphony Orchestra.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.