A noite em que o fado reinou no São Carlos

Teatro nacional esgotou para ouvir Mafalda Arnauth, Camané, Carminho e Carlos do Carmo a cantarem ao lado da Orquestra Sinfónica Portuguesa.

Não é, de todo, habitual, que uma casa de atividade lírica como o Teatro Nacional de São Carlos (Lisboa) receba no seu palco não um, mas quatro fadistas. O convite foi feito pela própria Orquestra Sinfónica Portuguesa, que quis também celebrar a consagração do fado a Património da Humanidade com um concerto que teve tudo para ser especial. E foi.

Se por um lado não é comum o Teatro Nacional de São Carlos acolher concertos de fado, também não tem sido prática corrente vermos num mesmo palco diferentes gerações de fadistas a partilharem esta música. Mas é extremamente saudável essa troca de experiências, esse partilhar de afinidades. A noite de sábado, aliás, terminou com os quatro fadistas juntos a cantar no mesmo palco: Carlos do Carmo, Carminho, Camané e Mafalda Arnauth.

Antes destes fadistas, a Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigida pelo maestro Vasco Pearce de Azevedo, interpretou Fandando, Suite Alentejana n.º1, de Luís de Freitas Branco. Pouco depois Mafalda Arnauth entrou em palco e interpretou cinco fados: Meus Lindos Olhos, Brilhante Dança, Serás Sempre Lisboa, O Mar Fala de Ti e Audácia - "só consigo viver a vida com amor e audácia", assim apresentou Arnauth este último tema.

Camané foi aquele que arrancou do público que esgotava o São Carlos os aplausos mais entusiastas, logo com Mais um fado no fado, o seu primeiro tema da noite. Cantou ainda a Marcha do Bairro Alto, Brado, a bem humorada Guerra das Rosas ou Sei de um Rio. Os arranjos para orquestra de Mário Laginha, Filipe Melo e Filipe Raposo para estes fados permitiram a intersecção perfeita a solenidade clássica da Orquestra Sinfónica Portuguesa e a raíz fadista de Camané.

O mesmo aconteceu quando Carminho cantou Escrevi teu nome no vento. Antes já tinha dado voz a As pedras da minha rua, Malva Rosa, Talvez e Cabeça de vento.

Já Carlos do Carmo, no final, deu voz a alguns dos seus fados mais célebres: Duas lágrimas de orvalho, Cacilheiro, Gaivota, Um homem na cidade e Canoas do Tejo, esta última acompanhada pelo público, naquele que foi um dos momentos mais importantes, mesmo a nível simbólico, da noite. O fado, a orquestra do São Carlos e o público unidos como um só. Daí ter sido visivel a emoção de Carlos do Carmo, que não deixou de lembrar que os arranjos destes fados são da autoria do "saudoso amigo" Bernardo Sassetti.

A noite terminou com os quatro fadista a interpretarem o célebre Estranha forma de vida sem a amplificação dos microfones. O público aplaudiu de pé e pediu por mais. No sábado o fado reinou no São Carlos.

Exclusivos

Premium

João Taborda da Gama

Linhas cinzentas

Era muito arrogante, mas era verdade, e como era verdade e era arrogante eu não me cansava de o dizer, quando na minha vida a arrogância e a verdade tinham um peso maior do que hoje. E o que era verdade é que já tinha ido mais vezes a Paris do que a Cascais e o que era arrogante era dizê-lo em todo o lado, junto de quem quer que fosse, mesmo quem nunca tivesse ido a Paris, ou a Cascais, e quisesse. Tenho vindo aqui mais vezes nos últimos tempos descobrir novos nomes, novas terras, pôr caras nas terras, de Bicesse, que em criança achava ser em Angola, a Pau Gordo, que não sabia que existia.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.