Morreu o Nobel da Literatura Imre Kertész

O romancista sobrevivente de Auschwitz tinha 86 anos

O romancista húngaro Imre Kertész, vencedor do Prémio Nobel da Literatura em 2002, morreu esta quinta-feira aos 86 anos, depois de doença prolongada, avança a agência Reuters, citando a MTI, agência noticiosa estatal húngara.

A notícia da morte do autor foi divulgada pela sua editora.

Imre Kertész foi distinguido com o Nobel em 2002, tendo o júri considerado que as suas obras faziam o verdadeiro retrato dos campos de concentração nazis, mostrando quão baixo os seres humanos podiam descer.

Judeu húngaro deportado para Auschwitz aos 15 anos, na sequência de perseguições nazis, a obra de Imre Kertész é marcada pelo Holocausto.

Mais tarde foi transferido de Auschwitz para o campo de concentração de Buchenwald, de onde foi libertado em 1945 pelas tropas norte-americanas.

Depois da guerra, foi jornalista e tradutor de autores alemães.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.